Em seis anos, 887 esquerdistas foram assassinados nas Filipinas

Violência cai segundo último relatório de grupo de direitos humanos

Efe

04 de dezembro de 2007 | 04h43

Desde 2001, 887 esquerdistas foram assassinados e 185 desapareceram nas Filipinas, informa o grupo de direitos humanos filipino Karapatan. Conforme o organismo, a queda da violência, graças à pressão internacional, está expressa nos registros.  Ao longo de 2007, segundo o último relatório do grupo, 68 ativistas foram assassinados e 26 desapareceram. No ano anterior, os assassinatos somaram 185, e os desaparecimentos, 93. A redução, de acordo com o Karapatan, se deve à pressão exercida pela comunidade internacional e ONU sobre o governo filipino. A esquerda filipina diz que por trás dos assassinatos estão as forças de segurança do Estado, inclusive as milícias de civis que, sob comando do Exército, atuam nas áreas onde opera a guerrilha comunista do Novo Exército do Povo (NEP). Para o Exército, os assassinatos seriam o "resultado de expurgos internos" da guerrilha.

Tudo o que sabemos sobre:
FilipinasKarapatan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.