Imagem Gilles Lapouge
Colunista
Gilles Lapouge
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Em Teerã, incertezas no topo

Enquanto premiê de Israel combate negociações com os iranianos no Congresso dos EUA, sucessão do aiatolá Khamenei é guerra silenciosa

Gilles Lapouge, O Estado de S.Paulo

04 Março 2015 | 02h06

O primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, está em Washington e Barack Obama não está contente. No pano de fundo desse imbróglio extraordinário entre Washington e seu caro aliado israelense, a vontade de Obama de encerrar a longa disputa com Teerã após ter decidido o complicado contencioso do programa nuclear iraniano.

Nos Estados Unidos, o projeto de Obama desagrada aos republicanos. Foi por isso que eles convidaram, nas barbas de Obama, o israelense Netanyahu a Washington. Também no Irã, há dois campos ferozmente antagônicos: os partidários do "degelo" com os Estados Unidos, tutelados pelo presidente da república Hassan Rohani e, contra eles, um personagem secreto, quase invisível, mas de um poder assustador: Ali Khamenei, o "Guia da Revolução", passionalmente hostil aos Estados Unidos. Portanto, a máquina iraniana também está emperrada.

Se os rumores que circulam no meio da espionagem e em certas embaixadas forem considerados críveis, uma das peças mais perigosas desse tabuleiro corre o risco de cair. Trata-se, justamente, do aiatolá Khamenei, que recusa qualquer aproximação com Washington. Aliás, circulam rumores de que Khamenei estaria gravemente doente.

A grande questão é a seguinte: no caso de um desfecho, quem vai assumir o papel de "guardião supremo da revolução"? Ocorre que os homens passíveis de suceder a Khamenei se dividem também entre os dois campos. Uns querem "virar a página". Outros querem continuar a ler a mesma página, a que escreveu há 40 anos o aiatolá Khomeini: ódio ao "grande satã" americano.

Sem estabelecer uma lista exaustiva, pode-se citar o favorito, o grande aiatolá Hashemi Sharudi, de 66 anos, que possui um trunfo importante: é uma autoridade religiosa muito alta, pois é o "marjah taqlid", o que lhe dá o direito de emitir "fatwas" (decretos islâmicos). Ele é considerado moderado.

Será em março de 2016, daqui a um ano, que a Assembleia de Especialistas - 86 religiosos - ratificará o nome do sucessor de Khamenei. Diante desse moderado que é Sharudi, percebem-se outros integrantes austeros e intransigentes: Ahmad Khatami, catalogado como "radical", e Ahmad Jannati, mais radical ainda. No campo dos moderados há dois homens: Hashemi Rafsanjani e Hassan Rohani, atual presidente.

No caso de não surgir nenhuma figura diante da Assembleia de Especialistas, o filho do atual guia supremo, Motjaba Khamenei, poderia ter sua chance. Aparentemente, esse excelente filho não deve ser muito mais brando que seu terrível pai, já que ele chefia a milícia Basij, submetida à Guarda Revolucionária.

Tais são as sombras que se agitam por trás da grande negociação. O choque entre os dois campos é tão frontal que, há semanas, Rohani ameaçou conceder ao povo o direito de se pronunciar sobre um eventual acordo nuclear por meio de um referendo. A réplica foi fulminante: o jornal Kayhan acusou o presidente de agir sob as ordens de Jerusalém e de Washington. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

É CORRESPONDENTE EM PARIS

Artigo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.