Em telefonema para TV, Chávez diz estar 'bem'

Ao vivo na emissora oficial, venezuelano rompe silêncio e afirma que se recupera 'aceleradamente'

CARACAS, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2012 | 03h01

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, falou ao vivo aos venezuelanos, ontem de manhã, pela primeira vez desde que foi submetido a um nova cirurgia em Cuba. Num telefonema à emissora oficial Venezuelana de Televisão, ele afirmou estar "bem" e recuperar-se da retirada de um tumor na região pélvica a que foi submetido no início da semana.

"Estou bem e me recupero aceleradamente", disse Chávez ao ministro venezuelano de Energia e Petróleo, Rafael Ramírez, que percorria construções de casas populares na cidade de San Francisco, no Estado de Zulia, no momento do telefonema.

Na noite anterior, Chávez havia rompido o silêncio de uma semana no Twitter, postando quatro mensagens. Na primeira, afirmou estar "levantando voo como o condor". Na madrugada de hoje, ele voltou a postar mensagens contra o capitalismo, falando de investimentos que acabara de autorizar.

Outras fontes estão pessimistas sobre a saúde do presidente. "O exame feito no organismo do paciente semeou dúvidas, por um lado, e, por outro, confirmou os temores existentes depois das diversas tomografias feitas no (Centro de Investigações Médico-Cirúrgicas, onde Chávez está internado em Havana) Cimeq no fim de semana e aqui em Caracas", afirmou o jornalista Nelson Bocaranda, do diário El Universal, em sua coluna.

Segundo Bocaranda, o resultado dos exames confirmou a opinião de um médico brasileiro que comporia a equipe que trata de Chávez, "no sentido de que os esteroides aplicados no presidente para dar-lhe força, ânimo e melhor semblante foram muito contraproducentes". "Os paulistas atribuem ao abuso dessa substância o avanço tão rápido do tumor encontrado." Bocaranda disse ainda que uma nova operação, supostamente necessária para sanar uma hemorragia, não seria feita. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.