Nathan Denette/The Canadian Press via AP
Nathan Denette/The Canadian Press via AP

Em Toronto, 550 pessoas ficaram expostas ao coronavírus ao visitar clube de strip 

A exposição potencial ocorreu poucos dias depois que a Brass Rail Tavern, um dos clubes de strip mais conhecidos da cidade, foi autorizada a reabrir

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2020 | 11h47

Autoridades de saúde da cidade canadense de Toronto alertaram que até 550 pessoas podem ter sido expostas ao novo coronavírus em um clube de strip depois que um funcionário testou positivo para o vírus. O potencial contágio ocorreu poucos dias depois que o Brass Rail Tavern, um dos clubes de strip mais conhecidos da cidade, foi autorizado a reabrir.

O funcionário trabalhou quatro turnos no início de agosto, informou a prefeitura em nota, sem detalhar o estado de saúde em que trabalhava. Autoridades de saúde disseram que entraram em contato com os clientes que deixaram seus dados no registro de rastreamento de contato do estabelecimento, e pediu a eles que monitorassem quaisquer sintomas de covid-19.

Especialistas em saúde pública, no entanto, questionaram quantos clientes teriam fornecido informações de contato legítimas. "Você sabe quanto tempo vai levar para perseguir 550 pessoas, metade dos quais provavelmente forneceu identidades ou informações falsas?", disse Andrew Morris, professor de doenças infecciosas da Universidade de Toronto à Associated Press.

Autoridades de saúde de Toronto sugeriram que sua investigação inicial revelou que o clube não seguiu os protocolos exigidos, que incluem o distanciamento entre a equipe e os clientes e o uso de um escudo de acrílico quando isso não for possível.

O governador de Ontário, região onde fica Toronto, reclamou da situação na sexta-feira. "Há 500 pessoas - você tem que praticar o distanciamento social, tem que colocar uma máscara - eu sei que parece irônico falar sobre isso - mas você tem que fazer", disse Doug Ford aos repórteres.

Seus pensamentos logo se voltaram para a tensão que as notícias poderiam causar nos relacionamentos. "Sinto pena das pessoas quando vão para suas casas e dizem que estavam no Brass Rail", brincou. "Eu lamento. Desculpe pelo cônjuge, sério. Cara, eu não gostaria de estar nessa situação."

Repórteres questionaram a decisão de permitir a abertura de tais estabelecimentos enquanto a província luta contra uma pandemia que já viu mais de 40.000 contaminados até o momento. "Por que os clubes de strip abrem antes que as escolas possam abrir com segurança? Essas são as prioridades certas?", questionou em sua conta no Twitter a epidemiologista, Jennifer Kwan, de Ontário.

A cidade disse que o clube está cooperando "para implementar medidas para prevenir a propagação de infecções", como garantir que funcionários e clientes usem máscaras e pratiquem o distanciamento físico. O The Brass Rail não respondeu a um pedido de comentário feito pelo jornal britânico The Guardian.

O jornal Toronto Star observou que o clube havia pregado uma mensagem na porta da frente. “Durante este tempo, continuamos as operações, mantendo os mais altos padrões de higiene possíveis com nossa equipe”, dizia. “Esta é a nossa principal prioridade, ao mesmo tempo que oferecemos aos nossos hóspedes a hospitalidade e o serviço de apoio ao cliente a que estão habituados”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.