Em um ano, Kirchner ganha 502% a mais com aluguéis

Buenos Aires - Ser inquilino do presidente Néstor Kirchner não é uma tarefa fácil, especialmente na hora de pagar o aluguel. Como administrador imobiliário, o presidente não poupa seus locatários de ferozes aumentos. Isso é o que indica a declaração de bens de Kirchner, publicada ontem pelo jornal La Nación. Ela mostra que Kirchner arrecadou em 2006 com seus imóveis alugados - quase todos na Patagônia - um valor 502% superior a 2005.Em 2005, Kirchner ganhou US$ 88.715 com os aluguéis. Em 2006, obteve US$ 442.451. O aumento não pode ser explicado pela alta da inflação em 2005, de apenas 12,3%, nem em 2006, que ficou em 9,8%. Tampouco pelo aumento de número de imóveis, que passou de 28 para 32. No ano passado, a revista Notícias publicou um dossiê que relatava como Kirchner fez carreira em sua cidade natal, Río Gallegos, no final dos anos 70, como advogado especializado em adquirir imóveis de proprietários inadimplentes que iam à leilão. Dessa forma, o jovem advogado adquiriu 21 imóveis antes de entrar na política.Atualmente, os Kirchner possuem 19 casas, sete terrenos, quatro apartamentos e duas lojas. O patrimônio total cresceu de US$ 2.313.202 em 2005 para US$ 2.894.509 em 2006. Quando tomou posse, Kirchner já contava com o maior patrimônio que um presidente havia tido desde a volta da democracia, em 1983 (com exceção do milionário senador Ramón Puerta, presidente provisório no Natal de 2001).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.