AFP PHOTO / Philippe LOPEZ
AFP PHOTO / Philippe LOPEZ

Em um ano, Macron impõe reformas e vê sua popularidade cair

Presidente francês, que surpreendeu o mundo ao derrubar o establishment político nas eleições de maio de 2017, enfrenta protestos crescentes por reformas que incidem sobre a classe média e aprofunda a divisão social na França

Andrei Netto, CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

06 Maio 2018 | 05h00

PARIS - Há um ano, um jovem candidato vencia a eleição presidencial na França. Em pouco tempo, Emmanuel Macron conquistou o Parlamento, iniciou um programa de reformas e assumiu a liderança da União Europeia, aproveitando-se do vácuo deixado por Angela Merkel e Theresa May. Sua posição imperial, porém, rendeu-lhe o rótulo de “presidente dos ricos”, atribuído pela esquerda, e um ano depois, a França continua dividida.

+ Árvore que Trump e Macron plantaram na Casa Branca desaparece

Guillaume Beuf é um retrato da França de Macron. Ele vive em Persan, cidade de 12,5 mil habitantes a 55 quilômetros de Paris. Casado, pai de dois filhos, ingressou em 1999 na SNCF, a gigante dos transportes ferroviários. Com estabilidade no emprego, promessa de aposentadoria aos 57 anos, saúde gratuita e bilhetes de trem de graça para toda a família, ele aderiu à greve do setor em abril, contra aquele que considera o maior inimigo da França: Macron.

Os grevistas da SNCF vêm paralisando os transportes contra a reforma que acaba com os benefícios para os ferroviários. “Defendemos a SNCF porque é o último bastião social da França. Depois de nós, acaba tudo”, diz. “Se Macron nos explodir, ele explodirá todo o restante do serviço público.”

+ Macron tropeça no idioma e chama mulher de premier australiano de 'deliciosa'

Beuf e os ferroviários não estão sozinhos na ira contra o governo e cada vez mais pessoas demonstram impaciência com Macron. Eleito em 7 de maio de 2017, ele mostrou dinamismo ao vencer as eleições legislativas, em junho, e assumir protagonismo internacional, mas o desprezo por sindicatos e imprensa, por exemplo, vem causando insatisfação. Entre os franceses, cresce cada vez mais a impressão de que o ex-banqueiro do Banco Rothschild não cumprirá sua principal promessa de campanha: ser, ao mesmo tempo, um político “de esquerda e de direita”.

Desde que anunciou o fim do imposto sobre grandes fortunas, no início do governo, o rótulo de “presidente dos ricos”, atribuído pelo partido de esquerda radical França Insubmissa (LFI), vem colando nas classes populares. Nelas está a maior parte dos eleitores extremistas da Frente Nacional. Para eles, Macron não é um “Tony Blair francês”, mas uma Margaret Thatcher, pouco aberto ao diálogo e truculento com a oposição.

+ Trump e Macron: do tenso aperto de mão aos beijos

Uma pesquisa do instituto Odoxa-Dentsu indica que 72% dos entrevistados veem Macron como “presidente dos ricos”, 43% consideram que sua política tende para a direita e 7%, para a esquerda. E, mais importante: em lugar de unificar o país, Macron divide ainda mais a França do que Nicolas Sarkozy e François Hollande. 

Nas metrópoles, entre executivos de empresas privadas, com formação superior e pós-graduação, 62% aprovam Macron – seu melhor desempenho. “No meu entorno, Macron continua popular porque faz o que anunciou e não há nenhum outro melhor para substituí-lo”, diz Augustin Dupont, de 43 anos, executivo de uma companhia de energia. “Nenhum presidente jamais será popular na França.”

Do outro lado da pirâmide social, 61% dos trabalhadores e 57% dos franceses menos qualificados, de regiões periféricas e pequenas cidades do interior, o rejeitam. “Ao atacar os ferroviários, Macron ataca o serviço público em geral. Amanhã será a escola pública, tenho certeza”, afirma Sébastien, funcionário público e sindicalista. 

Franco, mas centralizador, Macron tem um estilo que não deixa ninguém indiferente. Ele é percebido como dinâmico, determinado e competente, mas também é visto por 76% como “pouco humilde” e por 68% como “distante das pessoas”.

Esse perfil contraditório é comum em relatos como o de Nicole Breton, de 77 anos, aposentada aos 60. “O governo faz reformas e elas deixam a impressão de que são em benefício dos ricos”, diz a ex-contadora, que acaba de perder 1,7% de seu salário após o aumento de um imposto que incide sobre aposentados. “É preciso fazer reformas, mas o peso sobre os aposentados é grande demais.”

Embora demonstre uma capacidade maior do que seus antecessores de vencer a resistência de sindicatos – em parte graças a uma maioria confortável no Parlamento –, a atitude de Macron vem estimulando a onda de protestos. Para analistas, o maior risco para ele é a convergência de insatisfações. 

Movimentos estudantis, em protesto contra a reforma do acesso à universidade – que agora passará a ter um processo de seleção por currículo, acabando com o sorteio – são os mais revoltados. No feriado de 1.º de Maio, eles eram os mais numerosos entre os black blocs que destruíram bancos e lojas em Paris.

Mas o principal foco da insatisfação são mesmo os trabalhadores da SNCF, empresa que é hoje responsável por um rombo de € 47 bilhões nas contas do governo. Disposto a mexer no vespeiro, Macron decidiu enfrentar os ferroviários, ainda sob o risco de paralisar o país. 

Por ora, o enfrentamento tem reforçado a imagem de “presidente dos ricos”, que pode atrapalhar seus planos de reformas e de reeleição. “Essa percepção o perseguirá até o final de seu governo”, diz Gaël Sliman, presidente do instituto Odoxa. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.