Irmãs Escolares da Província Notre Dame do Pacífico Central
Irmãs Escolares da Província Notre Dame do Pacífico Central

Em uma semana, 8 freiras morrem de covid em asilo nos EUA

Irmãs católicas viviam em uma casa de repouso na pequena Elm Grove, no Estado de Wisconsin

Christine Hauser, The New York Times

19 de dezembro de 2020 | 11h38

Elas foram educadoras, professoras de música e ativistas comunitárias que serviram incansavelmente aqueles que viviam na pobreza.

Em uma semana, oito freiras morreram de doenças relacionadas à covid-19 em uma casa de repouso em Wisconsin, nos Estados Unidos, neste mês, uma perda angustiante que destacou os riscos de infecção em residências para idosos, mesmo quando os administradores disseram que tomaram precauções contra a infecção.

As mortes das irmãs católicas ocorreram na pequena Elm Grove, cerca de 13 quilômetros a oeste de Milwaukee. Como a maioria dos estados norte-americanos, Wisconsin está lutando para conter a disseminação do novo coronavírus. Registrou pelo menos 482.443 casos e 4.566 mortes desde o início da pandemia, de acordo com um banco de dados do New York Times

A casa foi convertida em residência para irmãs idosas e enfermas em um local historicamente usado como orfanato para crianças da região em 1859. A primeira das oito mulheres morreu em 9 de dezembro, e as outras, nos dias seguintes, até a última terça-feira, 15, disse Trudy Hamilton, porta-voz das Irmãs Escolares da Província do Pacífico Central Notre Dame, na sexta-feira, 18.

As irmãs Rose M. Feess, de 91 anos, e Mary Elva Wiesner, de 94, uma educadora religiosa e litúrgica, morreram em 9 de dezembro, segundo o site da casa. A irmã Dorothy MacIntyre, de 88, morreu dois dias depois, e a irmã Mary Alexius Portz, de 96, morreu dois dias depois, no domingo passado, 13. As irmãs Joan Emily Kaul, de 95, Lillia Langreck, de 92, e Michael Marie Laux, de 90, morreram na segunda-feira, 14. A irmã Cynthia Borman, de 90, morreu na última terça-feira.

“Foi um choque e tanto em pouco tempo”, disse Hamilton. Suas biografias completas não estavam imediatamente disponíveis, já que os administradores estavam tentando lidar com a perda terrível de tantos morrendo em tão curto período de tempo. “Estamos tentando recuperar o atraso”, afirmou Hamilton.

Os especialistas dizem que as populações envelhecidas são particularmente vulneráveis ao vírus, que se desenvolve em qualquer lugar onde as pessoas estejam em contato próximo. As irmãs viviam em comunidade, assim como as residentes em casas de repouso, que foram especialmente afetadas pela pandemia.

As mortes na residência refletiram perdas em instalações semelhantes. Na Bem-Aventurada Virgem Maria, em Livonia, Michigan, morreram 12 irmãs Felicianas em abril e maio, seguidas por uma 13ª irmã em junho, de covid-19.

Em Wisconsin, pelo menos cinco irmãs do Convento Nossa Senhora dos Anjos, em um subúrbio de Milwaukee, morreram desde abril. Todas as cinco freiras foram descobertas com o vírus apenas após suas mortes.

No condado de Waukesha, o Gabinete do Examinador Médico não exige relatórios obrigatórios das mortes de covid-19, disse Linda Wickstrom, porta-voz do Departamento de Saúde e Serviços Humanos. “É prerrogativa de uma empresa ou ambiente de congregação confirmar ou negar” um surto ou estado de saúde de indivíduos, disse ela por e-mail.

Irmã Debra Marie Sciano, líder provincial das Irmãs Escolares da Província de Notre Dame Central Pacific, disse em uma entrevista que as oito irmãs do campus de Elm Grove tinham se aposentado lá após décadas de serviço, em campos que incluíam ensino, educação musical, artesanato e poesia. (Uma nona irmã, irmã Marcene Schlosser, 82, morreu em um campus separado das IENS em Mankato, Minnesota, em 14 de dezembro.)

A irmã Debra disse que a residência Elm Grove seguiu diretrizes federais para tentar manter as irmãs seguras, com máscaras e protocolos de distanciamento social, como espaçamento de alguns de cada vez nas mesas de jantar e redução do número de visitantes.

Então, no Dia de Ação de Graças, ela foi informada de que uma das irmãs havia testado positivo para o coronavírus. Ela foi separada do resto, e quando outros começaram a ficar doentes, o grupo foi cuidado em uma ala. “Logo depois disso, começamos os testes duas vezes por semana”, disse a irmã Debra.

Os outros 88 que ainda moram no estabelecimento devem permanecer em seus quartos, onde comem e assistem à missa em um circuito interno de televisão.

“Tem sido difícil, tem sido muito difícil”, disse ela. “É como um momento de soco no estômago. O primeiro foi bastante difícil e, quando continuou acontecendo, houve uma sensação de profunda perda.”

Biografias detalhadas de algumas das mulheres, incluindo citações delas que foram registradas em ocasiões comemorativas de 25 anos de serviço, refletiam vidas de trabalho na educação e no cuidado de outras pessoas.

Irmã Mary Portz era uma professora de música que disse que sua “maior alegria era dar aulas de piano para crianças.”

A irmã Rose Feess adorava ensinar e trabalhar na Reserva Indígena em Dakota do Sul com os índios Sioux. “Da mesma forma, sempre tive prazer em trabalhar com os pobres e desfavorecidos como as pessoas das ruas que batem à minha porta, ou Louie, o sem-teto, que se tornou nosso encargo até que Deus o chamasse”, disse ela, segundo perfil no site.

A irmã Debra disse que a irmã Dorothy era professora, além de assistente de dentista, e adorava fazer artesanato. A irmã Michael ensinou em Guam, Alasca e Quênia. A irmã Lillia era poetisa, professora com necessidades especiais e “uma forte defensora da paz e da justiça”, afirmou a irmã Debra.

“Dói muito”, disse ela. “Mas por mais difícil que seja para nós, tentamos celebrar suas vidas também.” 

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.