ALAIN JOCARD / AFP
ALAIN JOCARD / AFP

Em Versalhes, quarto que foi de Maria Antonieta é reaberto ao público

Além do acesso ao local, também serão inauguradas duas exposições dedicadas à última soberana deste palácio, que abrigou a família real até a Revolução Francesa; aposentos da rainha, junto à Galeria dos Espelhos, estavam fechados desde janeiro de 2016

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2019 | 09h57

VERSALHES, FRANÇA - Os históricos aposentos da rainha Maria Antonieta no Palácio de Versalhes, na França, reabrem as portas ao público a partir de terça-feira, 16, depois de uma profunda reforma de três anos que permitiu restaurar suas cores e decoração original.

Nesses aposentos nasceram 19 filhos da realeza francesa e viveram 3 rainhas e 2 herdeiros nos 107 anos que transcorreram desde a instalação do rei Luís XIV neste palácio, situado ao sudoeste de Paris, até a saída da família real durante a Revolução Francesa.

Em paralelo à sua reabertura, também serão inauguradas duas exposições dedicadas a Maria Antonieta, além de uma sobre a rainha esquecida Maria Leszczynska, mulher de Luís XV, e Madame de Maintenon, esposa morganática do rei.

Os quartos da rainha, junto à Galeria dos Espelhos, estavam fechados desde janeiro de 2016, uma frustração para os oito milhões de visitantes anuais, atraídos especialmente pela figura de Maria Antonieta (1755-1793), a última soberana.

Agora, será possível observar no quarto da rainha o célebre busto de Maria Antonieta e a tela que mostra a soberana e seus três filhos ao lado de um berço vazio.

"O período da restituição (das salas) ficou para trás. Hoje trata-se de buscar a pureza original, o objeto preciso que retorna para seu lugar histórico", disse Laurent Salomé, diretor do museu.

Para as obras, foram mobilizadas oficinas de carpintaria e de decoração, os bronzes foram limpos e uma empresa especializada trocou as sedas do Salão dos Nobres.

A Sala dos Guardas da Rainha, que estava velha e degradada, recuperou sua decoração de estilo hierático. A restauração também permitiu renascer o revestimento de mármores policromados. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.