Em vez de passaporte, passageiros mostram os olhos

Um seleto grupo de passageiros está tendo apenas que mostrar os seus olhos para passar pelo rigoroso controle de imigração do aeroporto de Heathrow. Desde a semana passada, o principal aeroporto londrino, um dos mais movimentados do mundo, está testanto um sofisticado sistema de identificação, o JetStream, que examina a íris do passageiro ao invés de seu passaporte.Cerca de duas mil pessoas que viajam frequentemente entre os Estados Unidos e Heathrow em vôos das companhias aéreas British Airways e Virgin estão participando do projeto piloto, que deve durar cinco meses. O objetivo é acelerar o movimento de passageiros e identificar imigrantes ilegais.Para se registrar, o viajante que está participando do projeto olha para uma câmara de vídeo que grava uma imagem de sua íris. Cerca de 512 bytes de dados de padrão digital são extraídos da imagem, codificados digitalmente, reorganizados e mais tarde comparados com uma nova imagem em tempo real.O sistema baseia-se no fato de que cada pessoa tem um padrão de íris totalmente único e diferente. Ao desembarcar em Heathrow, o viajante registrado vai diretamente para uma cabine, onde uma câmera checa se o padrão de sua iris combina com o registro online. Caso o resultado seja positivo, a barreira abre automaticamente, com o passageiro sendo liberado numa questão de segundos.O teste com o JetStream está sendo promovido pelo Grupo de Interesse na Simplificação do Processo de Viagens da IATA (Associação Internacional de Transporte Aéreo), integrado por representantes de aeroportos, linhas aéreas, autoridades da área de imigração e fornecedores de tecnologia do mundo inteiro.Além de Heathrow, as estações de registro JetStream devem ser instaladas nos aeroportos JFK, de Nova York, e Dulles, de Washington. A expectativa da EyeTicket Corporation, companhia norte-americana que fabrica o JetStream, é que a nova tecnologia seja adotada em vários aeportos do mundo nos próximos anos, ainda mais depois dos ataques terroristas contra os Estados Unidos de 11 de setembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.