Vincent West/Reuters
Vincent West/Reuters

Em vias de dissolução, ETA pede ‘perdão’ às vítimas da luta armada

Grupo separatista foi responsável por uma série de atentados a bomba e assassinatos durante luta armada pela separação do País Basco e de Navarra

O Estado de S.Paulo

20 Abril 2018 | 03h55

MADRI – A organização separatista ETA pediu perdão pelo “sofrimento” causado pelos “graves atos” cometidos durante a luta armada pela independência do País Basco. O comunicado foi publicado nesta sexta-feira, 20, pelo jornal diário “Gara”, dias antes da esperada dissolução do grupo.

“Nós provocamos graves atos que não tem volta. A estas pessoas e seus familiares, pedimos perdão”, escreveu a ETA, que admite ter consciência que “o longo período de luta armada provocou muito sofrimento”.

“Essas palavras não corrigirão o que ocorreu, nem diminuirão o sofrimento. Dizemos com respeito, sem querer provocar mais nenhuma aflição”, afirmou o grupo, que assumiu responsabilidade por vários atentados a bomba e assassinatos que deixaram mais de 800 mortos durante a luta armada pela independência do País Basco e de Navarra.

+ ETA declara fim da luta armada pelo País Basco

A ETA renunciou à luta armada em 2011 e em abril do ano passado decidiu entregar suas armas. Um membro do Grupo Internacional do Contato (GIC), formado por autoridades de diferentes países que trabalham pela paz na região basca, afirmou que o grupo irá se dissolver até a primeira semana de maio. 

+ ETA anuncia desarmamento após mais de 40 anos de violência

O governo espanhol, que combatia o grupo separatista, afirmou que a organização “não ganhará nada” em troca da dissolução. //AFP

Mais conteúdo sobre:
EtadesarmamentoEspanha [Europa]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.