Em vídeo, Bin Laden confessa atentados de 11 de setembro

Os Estados Unidos comprovaram publicamente o envolvimento de Osama bin Laden no planejamento e execução dos ataques terroristas contra o World Trade Center e o Pentágono, divulgando nesta quinta-feira uma fita de vídeo na qual o líder da Al- Qaeda diz que a destruição ultrapassou suas expectativas "e beneficiou grandemente o Islã".O secretário da Defesa, Donald Rumsfeld, disse que as pessoas "devem tirar suas próprias conclusões" do teipe e evitou declarações fortes, que diminuíssem o impacto do depoimento do próprio Bin Laden como inspirador e mandante dos atentados que mataram mais de 3 mil americanos. "Não havia nenhuma dúvida sobre a responsabilidade de Bin Laden nos ataques de 11 de setembro antes da descoberta dos teipes", disse o chefe do Pentágono. O porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer, evitou o tema, insistindo que pessoas devem julgar por elas mesmas o significado das declarações de Bin Laden.Divulgado junto com transcrições do diálogo vertido para o inglês por quatro tradutores do governo americano, o teipe de 39 minutos contém imagens de um encontro que Bin Laden manteve no início do mês passado, em algum ponto do Afegasnistão, com um xeque saudita não identificado que foi visitá-lo. Rumsfeld disse que o xeque que aparece na gravação pode ser egípcio.Segundo ele, a divulgação da fita não foi decidida pelo Pentágono. Em outubro passado, a Casa Branca pediu às redes de televisão americana que não colocassem no ar vídeos enviados por Bin Laden à Al-Jazira, a televisão do emirado do Catar, por temer que eles contivessem mensagens cifradas a terroristas infiltrados nos EUA e em outras partes do mundo.A fita de vídeo foi encontrada pela Aliança do Norte numa casa próxima a Jalalabad, depois que as forças do Taleban deixaram a cidade. Havia a data de 9 de novembro no cassete de vídeo contendo a gravação, que pode indicar que o encontro ocorreu com a ofensiva da oposição afegã contra o regime do Taleban já em debandada.No diálogo, recheado de manifestações de louvor a Alá, o xeque visitante informa Bin Laden que um líder religioso na Árabia Saudita havia feito um sermão no dia 11 de setembro no qual disse que os ataques contra o World Trade Center e o Pentágono eram parte de uma jihad, ou uma guerra santa, "e as pessoas (que morreram) não foram vítimas inocentes".Momentos depois, Bin Laden diz que ele e "nossos irmãos" ficaram muito alegres com a notícia de que os ataques haviam sido levados a cabo e confirma sua participação nos atentados discutindo alguns detalhes de sua prepararação e execução. "Nós calculamos antes o número de pessoas que seriam mortas com base na posição da torre", diz Bin Laden, que é formado em engenharia e vem de uma família que controla uma das maiores companhias de contrução civil do Oriente Médio. "Calculamos que os andares que três ou quatro andares seriam atingidos; e eu, o mais otimista de todos... por causa de minha experiência do campo , pensei que o fogo provocado pela gasolina do avião derreteria a estrutura de metal do prédio e provocaria o colapso da área atingida pelo avião e dos andares acima, apenas", disse. "Isso é tudo o que esperávamos", explicou, fazendo com as mãos a trajetória de um dos aviões atingido o prédio.No teipe, Bin Laden confirma também que a maior parte dos 19 sequestradores-suicidas que levaram a cabo os ataques não sabia dos detalhes da missão até praticamanete embarcar nos quatro aviões usados na operação. "Os irmãos que conduziram a operação, tudo que eles sabiam era que tinham uma missão de martírio e pedimos a cada um deles a ir para a América, mas eles não sabiam nada sobre a operação, nem sequer uma palavra", diz Bin Laden. "Mas eles eram treinados e nós não revelamos a operação antes de eles chegarem lá e (o fizemos) apenas antes de eles embarcarem no avião."No teipe, Bin Laden conta que acompanhou o noticiário sobre os ataques enquanto jantava com vários colaboradores. Quando estes celebraram a notícia de que o primeiro avião haviam atingido uma das torres do World Trade Center, "eu disse a eles: sejam pacientes". A notícia de que um segundo avião havia atingido as torres levou todos a fazer louvores a Alá, contou o líder terrorista. "Os irmãos que ouviram a notícia ficaram cheios de alegria."O presidente George W. Bush tomou medida administrativa que abriu as portas para o julgamento de Bin Laden num tribunal militar, se ele for capturado com vida. No momento em que o teipe era divulgado em Washington, as forças americanas intensificavam os bombardeios aéreos e ações terrestres , junto com as milícias anti-Taleban, na região de Tora Bora, onde as autoridades americanas acreditam que Bin Laden pode estar escondido.Leia a íntegra da transcrição traduzida para o português.O texto também está disponível em inglês no site do Departamento de Defesa dos Estados Unidos.Leia o especial

Agencia Estado,

13 de dezembro de 2001 | 14h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.