Timothy A. Clary/ AFP
Timothy A. Clary/ AFP

Em vídeo, Temer exalta Nobel da Paz à Campanha Internacional para Abolição das Armas Nucleares

Presidente afirma que Brasil tem compromisso histórico com a abolição das armas nucleares e a Constituição veda o uso de tecnologia nuclear para fins não pacíficos; Temer foi primeira autoridade a assinar pacto que rendeu prêmio ao grupo

Carla Araújo / Brasília  , O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2017 | 18h13
Atualizado 06 Outubro 2017 | 18h34

O presidente Michel Temer divulgou na tarde desta sexta-feira, 6, nas redes sociais um vídeo para exaltar o Nobel da Paz de 2017 concedido à Campanha Internacional para Abolição das Armas Nucleares (Ican).  “O prêmio é justo reconhecimento por seus esforços incansáveis em favor de um mundo livre de armas nucleares”, afirmou o presidente, que foi a 1ª autoridade a assinar o tratado contra armas nucleares que rendeu o prêmio à Ican. 

Visibilidade do Nobel aumenta nossa responsabilidade, diz brasileiro do Ican

A organização concedeu nesta sexta-feira o prêmio ao grupo por seu trabalho em voltar as atenções para as consequências humanitárias catastróficas de qualquer uso de armas nucleares e por seus esforços pioneiros para alcançar um pacto com base na proibição de tais armamentos.

Segundo o presidente, esses esforços “aos poucos geram resultados”. “Expressão notável é o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares, adotado recentemente na ONU. Eu tive até a honra de ser o primeiro chefe de Estado a assinar o tratado, no mês passado, em Nova York”, comentou Temer.

De acordo com o presidente, o tratado preenche lacuna histórica. “As armas nucleares eram os únicos armamentos de destruição em massa ainda não proibidos pelo direito internacional. E essa era a situação que não podia perdurar. Estamos falando de armas que causam devastação de maneira indiscriminada. Que põem em risco a paz, a segurança, a saúde humana, o meio ambiente em escala global. E continuam a ser ameaças reais no mundo de hoje”, diz Temer no vídeo.

 

Temer afirma ainda que o Brasil tem compromisso histórico com a abolição das armas nucleares e a Constituição veda o uso de tecnologia nuclear para fins não pacíficos. “É com esse compromisso, é com essas credenciais, que nossa diplomacia esteve à frente das negociações do Tratado sobre a Proibição das Armas Nucleares”, diz o presidente.

Na mensagem, o presidente conclama outros países a assinarem o compromisso. “Que os países que ainda não se associaram ao tratado possam fazê-lo no mais breve prazo. Que as potências nucleares possam assumir novos compromissos de desarmamento. Esse é o caminho para um mundo mais seguro, para a paz duradoura. Seguiremos engajados nesta, que é causa de toda a humanidade”, finaliza o presidente.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.