Em visita à Turquia, papa pede diálogo entre as fés

Em sua primeira viajem a um país majoritariamente muçulmano, o papa Bento XVI iniciou nesta terça-feira sua visita à Turquia com uma mensagem de diálogo e de "irmandade" entre as fés. A declaração soa como uma tentativa de reconciliação entre católicos e muçulmanos, dois meses depois de um polêmico discurso do pontífice que levou a intensos protestos em países muçulmanos. Em aparição conjunta com o papa, o líder islâmico na Turquia disse que a crescente "islamofobia" fere todos os muçulmanos. Bento XVI afirmou ainda que as garantias de liberdade religiosa são essenciais para uma sociedade justa. Seus comentários deverão ser reforçados ao longo de sua viagem de quatro dias pela país, quando o papa se encontrará em Istambul com o patriarca ecumênico Bartolomeu I, líder espiritual dos cristãos ortodoxos. Espera-se que o papa peça por maiores direitos e proteções para as minorias cristãs no mundo muçulmano, inclusive para a pequena comunidade cristã ortodoxa da Turquia. A jornada de Bento XVI é extraordinariamente sensível. Trata-se de uma peregrinação cheia de simbolismos, e acompanhada de perto por todo o mundo. Se, por um lado, ela pode oferecer a esperança de reconciliação religiosa, por outro, pode aprofundar o que muitos consideram como uma divisão crescente entre os mundos muçulmano e cristão. Procurando amenizar a irritação causada por suas declarações sobre o Islã, Bento XVI se encontrou com Ali Bardakoglu, chefe da Diretoria de Assuntos Religiosos da Turquia. "A então chamada convicção de que a espada é usada para difundir o islã e a crescente islamofobia fere todos os muçulmanos", disse Bardakoglu em uma aparição conjunta com Bento XVI. O comentário parece ser em referência às palavras de Bento XVI em um discurso de setembro, quando o pontífice citou um imperador cristão do século XIV que caracterizou os ensinamentos do profeta Maomé como "maus e desumanos". O discurso despertou uma onda de raiva no mundo islâmico. No último domingo, mais de 25 mil turcos realizaram um protesto contra o Vaticano em Istambul."A paz é a base de todas as religiões", disse Bento XVI a Bardakoglu.O Vaticano disse que o discurso era uma tentativa de enfatizar a incompatibilidade entre fé e violência, e o papa depois expressou arrependimento pela violenta reação muçulmana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.