Em visita ao Líbano, Ahmadinejad volta a provocar Israel

Presidente do Irã vai a vila perto da fronteira israelense, dá apoio ao Hezbollah e diz que 'sionistas desaparecerão'

Gustavo Chacra CORRESPONDENTE / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2010 | 00h00

A poucos quilômetros da fronteira do Líbano com Israel, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, afirmou para dezenas de milhares de seguidores da organização xiita libanesa Hezbollah que "os sionistas desaparecerão" e "o inimigo israelense era mais fraco do que uma teia de aranha".

As declarações dentro do território libanês foram consideradas provocativas pelos EUA. Congressistas americanos afirmam que poderão congelar a ajuda militar de cerca de US$ 100 milhões ao Líbano, cuja coalizão que controla o governo de união nacional é aliada dos americanos e se opõe ao Hezbollah - integrante minoritário do governo em Beirute.

O premiê de Israel, Binyamin Netanyahu, em discurso no Museu da Independência de Israel, em Tel-Aviv, afirmou que "o Líbano está se transformando em uma extensão do regime iraniano". Segundo o premiê, que falou depois de Ahmadinejad, "esta é uma tragédia para o Líbano, mas Israel sabe como se defender".

A visita do presidente iraniano incluiu cerimônias comuns a todos chefes de Estado que viajam ao Líbano. No primeiro dia, ele se reuniu com o presidente Michel Suleiman, um cristão maronita. Ontem, Ahmadinejad se encontrou com o premiê Saad Hariri (sunita), que é o maior rival do Hezbollah dentro do Líbano. Nas duas ocasiões, o iraniano evitou acentuar as divisões internas em Beirute, defendendo um Líbano unificado.

Além desses encontros, Ahmadinejad também se reuniu com a comunidade xiita libanesa, que apoia o Hezbollah. Na primeira noite, o discurso foi em um subúrbio de Beirute.

Em um ato desafiador, ontem o presidente do Irã visitou Bint Jbeil, uma vila na fronteira com Israel que teve 90% de suas casas destruídas no conflito armado de 2006 entre o Hezbollah e os israelenses.

Reconstruída com dinheiro do Irã e do Qatar, a vila tem um parque ao redor de uma réplica da mesquita do Domo da Rocha e fica praticamente na divisa com Israel, Bint Jbeil o recebeu com bandeiras iranianas. "Os sionistas planejavam destruir esta vila, mas vocês conseguiram se defender diante dos ocupantes. O mundo todo deve saber que os sionistas, um dia, desaparecerão e Bint Jbeil continuará de pé", disse Ahmadinejad.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.