Em visita de britânico, Brasil apoia Argentina

Em Brasília, Patriota diz a chanceler da Grã-Bretanha que País e região reconhecem soberania argentina em disputa pelas Ilhas Malvinas

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2012 | 03h06

O chanceler brasileiro, Antonio Patriota, disse ontem a seu colega britânico, William Hague, que o Brasil e a região latino-americana apoiam a soberania da Argentina sobre as Ilhas Malvinas.

Durante visita a Brasília, Hague elogiou o poder político do País, mas disse que a posição britânica em relação à ilha não vai mudar apesar da pressão argentina.

"As decisões da Unasul (União de Nações Sul-americanas) e do Mercosul são públicas e não há necessidade de reafirmá-las", disse Patriota depois de ser questionado se o Brasil reitera a decisão do Mercosul, feita em dezembro, de proibir o ingresso a portos do bloco de navios que estejam com a bandeira das Malvinas, em apoio à reivindicação da Argentina. "Hague sabe que o Brasil, a Unasul, diria que até a comunidade latino-americana e o Caribe apoiam a soberania argentina sobre as Ilhas Malvinas", afirmou o chanceler brasileiro. "Apoiamos as resoluções das Nações Unidas que insistem que os governos argentino e britânico dialoguem sobre o tema."

Hague, no entanto, defendeu a posição do governo britânico sobre o impasse, mas disse que a diferença de opiniões não deve afetar a "crescente e produtiva" relação com o Brasil.

Acusação. A Grã-Bretanha acusou ontem a Argentina de "colonialismo" ao reivindicar a posse das ilhas, motivo de conflito entre os dois países há 30 anos. As ilhas ficam no Atlântico Sul e estão sob controle britânico.

Um dia depois de o Conselho de Segurança Nacional discutir a defesa do arquipélago, o primeiro-ministro David Cameron afirmou ao Parlamento que a Grã-Bretanha está comprometida em defender as ilhas e seus habitantes devem ter o direito a decidir a própria nacionalidade.

Autoridades argentinas repudiaram os comentários feitos pelo premiê britânico. / AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.