Sergio LIMA / AFP
Sergio LIMA / AFP

Em visita fora da agenda, Bolsonaro vai à CIA

Compromisso foi anunciado no Twitter pelo filho do presidente, Eduardo Bolsonaro, que disse tratar-se de oportunidade para discutir 'temas internacionais da região com técnicos e peritos do mais alto gabarito'

Beatriz Bulla, Correspodente / Washington

18 de março de 2019 | 10h35

WASHINGTON - O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, foi visitar a agência de inteligência americana, a CIA, na manhã desta segunda-feira, 18, na Virgínia. A visita não constava da agenda oficial do presidente, que, segundo sua assessoria, estaria em "compromissos privados" no período da manhã.

O anúncio da agenda foi feito pelo filho de Bolsonaro, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL), via Twitter. Na rede social, o deputado anunciou: "Indo agora com o PR Jair Bolsonaro e ministros para a CIA, uma das agências de inteligência mais respeitadas do mundo. Será uma excelente oportunidade de conversar sobre temas internacionais da região com técnicos e peritos do mais alto gabarito".

Na noite de domingo, o porta-voz da presidência, Otávio Rêgo Barros, informou que compromissos oficiais poderiam ser organizados. Entretanto, nenhuma agenda oficial foi comunicada aos jornalistas.

Em sua primeira viagem  oficial, Bolsonaro tenta selar a aproximação com os Estados Unidos, iniciada antes mesmo da posse do brasileiro, especialmente com o presidente americano, Donald Trump, com líderes conservadores e com empresários americanos.

O presidente brasileiro, que chegou à Washington no domingo, será recebido na Casa Branca, junto com sua comitiva, na terça-feira. Ele terá um encontro privado com Trump no Salão Oval e os dois farão uma declaração conjunta à imprensa no Jardim das Rosas.

O comunicado deve mencionar a crise na Venezuela e como Brasil e EUA pretendem atuar unidos pela democracia na América Latina, fazendo uma crítica especial ao “socialismo” de Maduro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.