Tom Brenner/Reuters
Tom Brenner/Reuters

Em visita surpresa ao Afeganistão, Trump anuncia retomada de diálogo com Taleban

Trump falou com os soldados americanos após uma ceia no bandeijão com as tropas na base aérea de Bagram, nos arredores de Cabul

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2019 | 17h17

BAGRAM, AFEGANISTÃO - O presidente americano, Donald Trump, afirmou nesta quinta-feira, 28, que os Estados Unidos retomaram as negociações com o Taleban, durante uma visita não anunciada ao Afeganistão para celebrar o feriado de Dia de Ação de Graças com as tropas dos EUA. A visita ao Afeganistão foi a primeira de seu mandato.   

"O Taleban quer fazer um acordo e nós vamos nos encontrar com eles. Vínhamos dizendo que é preciso fazer um cessar-fogo, e eles não queriam fazer um cessar-fogo, e agora eles querem fazer um cessar-fogo", disse ele à imprensa.

Trump falou com os soldados americanos após uma ceia no bandeijão com as tropas na base aérea de Bagram, nos arredores de Cabul. Ele também se reuniu com o presidente afegão, Ashraf Ghani.

As tratativas com o Taleban haviam sido suspensas no início de setembro, quando o presidente cancelou um encontro secreto com líderes do grupo fundamentalista na base militar e casa de campo de Camp David, nos EUA.    

Dias antes, um ataque terrorista da milícia matara 12 pessoas em Cabul, incluindo um soldado americano. 

O magnata também confirmou a intenção de reduzir o número de soldados americanos no país de 12 mil para 8,6 mil.    

Os princípios do acordo negociado com o Taleban no primeiro semestre previam a retirada inicial de 5,4 mil militares. O grupo islâmico governou o Afeganistão de 1996 a 2001, até ser derrubado pela invasão americana - Washington acusava a milícia de dar proteção a Osama bin Laden, mentor dos atentados do 11 de Setembro. Após sua queda, o Taleban iniciou uma insurgência que segue ativa até hoje./AFP e Ansa   

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.