Em visita surpresa ao Iraque, Powell promete agilizar ajuda ao país

Numa demonstração de apoio ao governo interino iraquiano, que já dura um mês, o secretário de Estado americano, Colin Powell, fez hoje uma visita-surpresa ao país, a terceira desde a derrocada do regime de Saddam Hussein. Ele prometeu aos líderes do Iraque agilizar a ajuda financeira dos Estados Unidos à reconstrução da infra-estrutura iraquiana, de modo a fazer do país um lugar mais seguro. ?Queremos criar empregos. Queremos mostrar ao povo iraquiano que este dinheiro será utilizado para seu bem, e fazer isso o mais rápido possível?, afirmou.Powell não mencionou números específicos, mas o deputado iraquiano, Barham Saleh, que se encontrou com o secretário americano durante uma coletiva de imprensa, revelou que, até dezembro, os Estados Unidos deverão desembolsar US$ 9 bilhões na reconstrução do Iraque. Para Colin Powell, um esforço para agilizar a reconstrução do país deve aumentar o apoio da população ao governo interino.Além de Saleh, Powell se encontrou também com o presidente iraquiano, Ghazi al-Yawer. De acordo com o secretário, o governo do Iraque está trabalhando sob condições extremamente difíceis. ?É importante deixar claro que os líderes iraquianos são muito corajosos; eles se arriscam todos os dias?, disse. ?Devemos fazer de tudo para que os rebeldes entendam que não vamos desistir (...) Os terroristas serão derrotados, não tem jeito?.Depois do encontro com Powell, al-Yawer explicou que as forças rebeldes têm aumentado o número de ataques violentos por terem percebido que não têm chances de vencer. ?O exército da escuridão está ficando cada vez mais sem apoio e sem esperança. O tempo e o espaço estão do nosso lado?.A visita do secretário americano acontece dois dias depois que um atentado terrorista matou 70 iraquianos no nordeste de Bagdá. Além disso, o número de ataques contra estrangeiros têm aumentado sensivelmente, bem como o de prisioneiros decapitados. Membros do Congresso dos Estados Unidos têm criticado reiteradamente a lentidão com que os membros responsáveis pela ocupação do Iraque têm gastado os US$ 18 bilhões aprovados para reconstruir o país no ano passado. Até agora, apenas US$ 458 milhões foram gastos, graças principalmente à burocracia do governo americano durante os processos de licitação. Ainda, a primeira auditoria do governo para averiguar os gastos na reconstrução do Iraque mostrou que autoridades americanas gastam centenas de milhares de dólares sem declarar devidamente se eles chegaram a receber os produtos e serviços que alegam terem contratado.?Reconstrução e segurança são duas faces de uma mesma moeda?, disse Powell. Melhorar a economia e recuperar os fornecimento de serviços essenciais como águam e energia elétrica ?contribuem para uma sensação de segurança e para um ambiente seguro?.Para o presidente al-Yawer, a violência não vai impedir o país de realizar eleições para um governo de transição, previstas para janeiro. ?Estamos trabalhando contra o relógio para que tudo fique pronto a tempo?, disse.Exército islâmico - Powell chegou ao país depois de ter se encontrado com líderes kwaitianos e sauditas na última quinta-feira. Na cidade portuária de Jiddah, na Arábia Saudita, o secretário se encontrou com o primeiro-ministro interino do Iraque, Ayad Allawi, que deseja que as nações islâmicas enviem tropas ao Iraque para combater os insurgentes.Allawi fez este apelo um dia depois de as autoridades sauditas terem revelado que iniciaram esforços para a criação de uma força de segurança islâmica para ajudar a estabilizar o Iraque.Powell afirmou que ainda não sabe se este possível exército complementaria as força de ocupação ou se as substituiria. Acredita-se que o número de soldados das forças de coalizão no Iraque seja insuficiente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.