Em vitória para premiê, Câmara da Itália aprova reforma eleitoral

Nova lei permite formação de governos mais estáveis e evita impasses políticos como o do ano passado

O Estado de S. Paulo,

12 de março de 2014 | 12h50

ROMA - A Câmara dos Deputados da Itália aprovou nesta quarta-feira, 12, uma nova lei eleitoral, com a intenção de permitir a formação de governos mais estáveis, no que representa uma vitória para o recém-empossado primeiro-ministro Matteo Renzi, que prepara o lançamento de um novo pacote de cortes tributários e reformas econômicas.

A reforma eleitoral, que busca evitar que se repita um impasse como o ocorrido após a eleição parlamentar do ano passado, irá favorecer os partidos maiores e as coalizões mais fortes. A nova lei ainda precisa passar pelo Senado, onde deve sofrer emendas do centro-esquerdista Partido Democrático, de Renzi.

O sistema eleitoral italiano é muito criticado e já foi parcialmente considerado inconstitucional pela mais alta corte do país.

A reforma é vista como um teste que indicará se Renzi, de 39 anos, terá a capacidade de aprovar outras reformas mais amplas que ajudem a tirar a Itália da sua pior estagnação econômica desde o final da Segunda Guerra Mundial.

Renzi, que havia chegado a um acordo com o líder de centro-direita Silvio Berlusconi antes que o pacote eleitoral chegasse à Câmara, se empenhou para aprovar a lei antes de apresentar sua primeira proposta concreta de redução de impostos.

Com essa aprovação na Câmara, Renzi deve apresentar as medidas econômicas numa entrevista à imprensa ainda nesta quarta-feira./ REUTERS

 
Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaMatteo Renzireforma eleitoral

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.