Embaixada de Israel temia que futuro ministro fosse preso

A Embaixada de Israel em Londres pediu a Shaul Mofaz, ex-chefe do Estado Maior das Forças Armadas israelenses e provável futuro ministro da Defesa, que deixasse imediatamente a Grã-Bretanha, para evitar que fosse preso. Mofaz retornou ao Estado judeu na noite de ontem, após a conclusão de sua visita à Grã-Bretanha, onde um grupo islâmico entrou com um processo contra ele, por supostos crimes de guerra cometidos contra os palestinos.Apesar da advertência da representação diplomática, ele insistiu em concluir a viagem.Hoje, após o rompimento da coalizão de governo em Israel, Mofaz foi convidado pelo primeiro-ministro Ariel Sharon para ocupar a pasta da Defesa.No ano passado, o grupo Repórteres Sem Fronteiras citou Mofaz em sua lista de 39 "predadores da imprensa", devido ao alto número de jornalistas feridos, aparentemente pelos soldados israelenses, na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. Segundo o grupo, os casos não foram investigados adequadamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.