EFE/EPA/ABEDIN TAHERKENAREH
EFE/EPA/ABEDIN TAHERKENAREH

Embaixada dos EUA em Israel alerta americanos para possíveis ataques

Governo americano afirmou que cidadãos em Jerusalém, na Faixa de Gaza e na Cisjordânia devem ter 'muita cautela'

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2020 | 17h21

A embaixada dos Estados Unidos em Israel fez um alerta para os cidadãos americanos para o caso de ataques com foguetes ou morteiros nesta segunda-feira, 6. O site da embaixada informou que a situação é de "muita cautela" para americanos em Israel, Jerusalém, na Faixa de Gaza e na Cisjordânia.

As tensões no Oriente Médio estão mais elevadas desde que o governo dos Estados Unidos matou um alto militar iraniano na última quinta-feira, 2, o general Qassim Suleimani, considerado um herói nacional. O velório do general levou milhares de cidadãos às ruas de Teerã para o seu funeral. 

Israel, um aliado importante dos Estados Unidos e adversário de longa data dos iranianos, tem agido de maneira discreta desde o ataque. Os EUA afirmaram, ainda, que vão bombardear o Irã se Teerã retaliar o ataque. Um ex-líder da Guarda Revolucionária do Irã chegou a sugerir que a cidade israelita de Haifa poderia ser um alvo caso os americanos atacassem o Irã.

Iranianos lotam as ruas de Teerã para homenagear o general Suleimani

De acordo com a TV estatal do Irã, a multidão foi formada por milhões de iranianos, que se alternavam entre explosões de tristeza e de fúria, com gritos como “Morte à América!” e “Morte a Israel!”. Dentre a multidão, também estava presente o chefe do movimento palestino HamasIsmail Haniyeh

Ao longo da caminhada, foram queimadas bandeiras dos EUA e de Israel, enquanto homens e mulheres pediam vingança pela morte de Suleimani. Um homem foi visto carregando uma placa em que era possível ler a hashtag #SevereRevenge (“Vingança cruel”), slogan que também tem ganhado as redes sociais de iranianos. / Com informações da AP e da AFP 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.