Embaixada dos EUA faz recomendações de segurança

Como em época de guerra, a Embaixada dos Estados Unidos em Brasília recomendou aos americanos residentes no Brasil a trancar carros em todas as situações, variar horários e rotas de viagens, evitar exposição desnecessária e suspeitar de pacotes e correspondências de fontes desconhecidas. As sugestões foram feitas logo após a série de ataques terroristas que atingiu o World Trade Center e o Pentágono. O "alto nível de alerta" dado pela embaixada sugere que as pessoas com passagens compradas para o exterior consultem os avisos emitidos pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos e boletins de informações consulares. Um endereço na internet foi disponibilizado para orientar os americanos residentes no Brasil (http://travel/state.gov). Desde às 12h, o governo americano fechou os prédios da embaixada em Brasília e dos consulados em São Paulo, Rio e Recife. Por tempo indeterminado, estão suspensos os serviços realizados pelos órgãos, como vistos para entrada nos Estados Unidos. Na nota divulgada à imprensa, a embaixada afirma que as representações do governo americano no País serão reabertas "assim que a situação permitir". Hoje o prédio da embaixada em Brasília foi cercado por jornalistas e homens da Polícia Militar, do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) e da Polícia Federal. Seis viaturas e quatro motocicletas foram enviados ao local. Policiais do Batalhão Rio Branco, corporação responsável pela segurança do corpo diplomático que atua na capital, se deslocaram para a casa do encarregado de negócios internacionais da embaixada, Cristobal Orozco. O funcionário responde interinamente pelo órgão. Donna Hrinak, nomeada embaixadora pelo presidente George W. Bush, ainda não assumiu o posto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.