AP Photo/Ivan Sekretarev
AP Photo/Ivan Sekretarev

Embaixada turca em Moscou é apedrejada

Ato foi uma reação à derrubada do caça russo por forças turcas; policiais foram para a área, mas não efetuaram nenhuma detenção nem intervieram para dispersar os manifestantes

O Estado de S. Paulo

25 de novembro de 2015 | 19h08

MOSCOU - Um grupo de ativistas apedrejou a embaixada da Turquia em Moscou nesta quarta-feira, 25, em protesto pela derrubada, pela força aérea turca, de um caça-bombardeiro russo que cumpria missões contra o grupo Estado Islâmico (EI) na Síria. 

"Os manifestantes se reuniram em frente à embaixada e lançaram pedras contra o edifício. Os vidros do segundo e do terceiro andares da embaixada estão quebrados. Algumas pedras caíram dentro dos escritórios", disse um porta-voz da missão diplomática à agência russa Interfax.

Segundo as imagens exibidas pela imprensa russa, centenas de pessoas se concentraram em frente à delegação diplomática, e algumas delas começaram a lançar pedras, garrafas, latas de tinta, ovos, tomates e até aviões de papel. "Os funcionários têm medo de andarem pelos corredores da embaixada. Estamos conferindo se alguém ficou ferido", disse a fonte.

Vários policiais foram monitorar a área, mas não efetuaram nenhuma detenção nem intervieram para dispersar os manifestantes, que carregavam bandeiras da Rússia e da Síria.

"Punhalada pelas costas" e "Turquia, cúmplice do terrorismo", expressões usadas pelo presidente russo, Vladimir Putin, foram intensamente repetidas e lidas nos cartazes dos manifestantes. O protesto foi organizado pelo ultranacionalista Partido Liberal Democrático, embora membros de diferentes organizações tenham decidido aderir.

A Turquia expressou suas condolências pela derrubada do avião russo, mas insiste que ela só ocorreu porque o caça-bombardeiro russo violou o espaço aéreo turco. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.