Embaixadas dos EUA devem limitar apoio a Obama e McCain

O Departamento de Estado dos EUAdisse na segunda-feira que orientou suas embaixadas a limitaremo apoio dado aos candidatos presidenciais John McCain e BarackObama nas suas visitas ao exterior. A mensagem consta em um telegrama da secretária CondoleezzaRice a todos os postos diplomáticos na quinta-feira, mesmo diaem que o democrata Obama embarcou para uma viagem com destino aAfeganistão, Oriente Médio (inclusive Iraque) e Europa. O subsecretário Pat Kennedy disse que houve apenas umacoincidência de datas com relação à viagem, e que a mesmaorientação já havia sido passada quando o republicano JohnMcCain visitou Canadá, Colômbia e México. O telegrama proíbe diplomatas dos EUA de ajudar oscandidatos a marcar reuniões, recepções ou eventos e de usarem"fundos e recursos [públicos], além de um nível mínimo, paraapoiar uma viagem política". Mas o texto orienta as embaixadas a colaborarem com asegurança fornecida pelo Serviço Secreto e forneçam uma ajudabásica em questões logísticas -- informando os organizadores,por exemplo, sobre como realizar deslocamentos locais. Além disso, os diplomatas podem ajudar Obama e McCain nasua qualidade de senadores, inclusive fornecendo informaçõessigilosas nos casos aplicáveis. O telegrama estabelece uma distinção entre viagens decomitês parlamentares, que são pagas pelo governo dos EUA, ecompromissos privados. Por esse critério, McCain esteve no Iraque em março comoparte de uma delegação parlamentar, enquanto fez viagensprivadas de campanha a Canadá, Colômbia e México. Obama foi ao Afeganistão e ao Iraque nesta semana comoparte de uma delegação parlamentar, mas o restante da suaviagem (com paradas previstas em Israel, Jordânia,Grã-Bretanha, França e Alemanha) será principalmente ocupadocom eventos eleitorais. Pela lei norte-americana, funcionários públicos federaistêm atividade partidária restrita, para não influenciareleições indevidamente. O telegrama diz que o objetivo das regras anunciadas é"tratar ambos os candidatos presidenciais principais de formaequânime".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.