Embaixador americano critica Brasil por reconhecer Estado palestino

'Na nossa maneira de ver a questão do Oriente Médio, a decisão foi prematura', diz Shannon

ANNE WARTH, Agência Estado

10 de dezembro de 2010 | 14h48

O embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Thomas Shannon, criticou hoje o reconhecimento, por parte do Brasil, das fronteiras do Estado da Palestina anteriores à Guerra dos Seis Dias, ocorrida em 1967. De acordo com ele, a decisão do governo brasileiro foi "prematura", mas ressaltou que o Brasil é um país soberano e tem o direito de reconhecer os países que quiser.

Veja também:

blog Gustavo Chacra: palestinos querem dar xeque-mate em Israel

blogMarcos Guterman: Passo histórico, mas relativo

blogRadar Global: Leia as cartas de Lula e Abbas

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

"Na nossa maneira de ver a questão do Oriente Médio, a decisão do Brasil foi prematura", afirmou  Shannon em visita à sede da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional de São Paulo (OAB-SP). "Mas o Brasil é um país soberano e tem todo o direito e autoridade de reconhecer os países que quer reconhecer."

WikiLeaks. Na visita, Shannon foi questionado ainda sobre a posição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que prestou solidariedade ao australiano Julian Assange, criador do site de vazamento de documentos confidenciais WikiLeaks, que foi preso em Londres pela acusação de abuso sexual na Suécia.

Ontem, Lula disse que o culpado não é quem divulga as informações confidenciais, mas quem "escreveu a bobagem", disse, referindo-se aos embaixadores norte-americanos. Shannon evitou polemizar e afirmou que a atribuição da culpa, neste caso, será determinada pelos Judiciários dos Estados Unidos, da Inglaterra e da Suécia.

"Obviamente, os tribunais vão determinar a culpabilidade pelo vazamento. Eu vou deixar isso nas mãos dos tribunais", disse o embaixador. Na avaliação dele, o vazamento de documentos confidenciais dos EUA, e que citam o Brasil, não vai afetar as relações entre os dois países. "Acho que vamos sair desse episódio com uma relação mais forte do que antes", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.