REUTERS/Francois Lenoir
REUTERS/Francois Lenoir

Embaixador britânico na UE renuncia três meses antes do Brexit

Rogers, considerado um experiente em negociações do bloco, estava no cargo desde novembro de 2013; meios de comunicação especulam que sua relação com os partidários do Brexit no governo se deterioraram

O Estado de S. Paulo

03 Janeiro 2017 | 15h09

LONDRES - O embaixador britânico na União Europeia (UE), Ivan Rogers, renunciou nesta terça-feira, 3, segundo informou a emissora BBC. A renúncia foi apresentada a três meses do início das negociações de ruptura com Bruxelas, mas as razões da saída não estão claras. 

Rogers, considerado um experiente em negociações da UE, estava no cargo desde novembro de 2013. Meios de comunicação britânicos especulavam que sua relação com os partidários do Brexit no governo se deterioraram.  

O embaixador britânico se limitou a dizer a sua equipe que tinha decidido antecipar sua saída, prevista para o próximo mês de novembro, segundo o jornal econômico Financial Times (FT).

O Foreign Office informou que espera divulgar em breve um comunicado sobre esta informação, sem fornecer detalhes.

O diplomata tinha sido um dos principais assessores do ex-primeiro-ministro conservador David Cameron nas negociações prévias ao plebiscito europeu para conseguir mudanças nos termos da participação britânica na UE.

Após essas negociações, nas quais se estabeleceram mudanças no acesso dos comunitários às ajudas sociais britânicas, Cameron decidiu convocar para 23 de junho de 2016 um referendo sobre a permanência ou a saída do Reino Unido da UE.

Rogers provocou uma grande controvérsia no fim de 2016 ao dizer que levaria uma década para finalizar um acordo comercial com a UE depois da saída britânica do bloco e ela poderia até mesmo fracassar, já que deveria passar pela ratificação dos 27 sócios.

De acordo com o FT, as relações entre o embaixador e a equipe da primeira-ministra britânica, a conservadora Theresa May, tinham se deteriorado nos últimos meses.

Rogers é um funcionário britânico e foi secretário privado do ex-ministro de economia Kenneth Clarke e também trabalhou com o ex-primeiro-ministro trabalhista Tony Blair.

De acordo com o FT, Rogers era bem avaliado pelos outros embaixadores da UE, que esperavam que permanecesse durante as negociações sobre a saída britânica da UE.

Theresa May indicou que este mês dará detalhes de seus planos de negociação com o bloco europeu após receber críticas de diferentes setores devido à incerteza criada pela falta de informação sobre o que ocorrerá com o Brexit.

A expectativa é que o Reino Unido saia da União Europeia no segundo trimestre de 2019. / AFP e EFE

Mais conteúdo sobre:
Brexit

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.