Embaixador do Iraque na China se recusa a deixar o país

O embaixador do Iraque na China armou-se e trancou-se com outros diplomatas no interior da ala principal da representação diplomática iraquiana, em Pequim, rejeitando ordens para retornar a Bagdá, informou nesta sexta-feira um diplomata iraquiano. Mowaffaq Alani recebeu em 6 de junho uma ordem do Ministério das Relações Exteriores para retornar ao Iraque, disse Talal H. al-Khudairi, a quem foi pedido que assumisse o posto de representante iraquiano para a China. "Alani tomou a embaixada à força, usando pistolas", acusa Al-Khudairi. Ele disse que Alani impede a saída de outros diplomatas do prédio principal e obrigou três diplomatas a deixarem a ala residencial, ameaçando baleá-los se não obedecessem. De acordo com Al-Khudairi, a esposa de Alani também está armada. Apesar dos pedidos de Al-Khudairi para que haja mediação, o porta-voz da chancelaria chinesa, Kong Quan, disse que o governo quer que os iraquianos resolvam o problema sozinhos.

Agencia Estado,

18 Julho 2003 | 18h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.