Embaixador dos EUA deixa reunião da ONU

O embaixador norte-americano na ONU, John Negroponte, retirou-se do debate sobre a guerra no Iraque depois que o embaixador iraquiano, Mohammed Al-Douri, acusou os EUA de estarem tentando exterminar o povo iraquiano. "Eu já ouvi o suficiente", disse Negroponte, acrescentando que Al-Douri não apresentou nenhuma novidade em suas declarações. Em entrevista para a tevê, Negroponte disse que ele não aceitaria as "alegações e proposições ridículas que ele apresentou". Al-Douri acusou os EUA de terem acertado contratos para reconstrução do Iraque em 1997, seis anos antes do país lançar a guerra contra o Iraque - que começou na semana passada. Negroponte levantou-se e deixou a reunião do Conselho de Segurança da ONU, enquanto Al-Douri continuou a falar, acusando os EUA de estarem numa campanha para aniquilar o povo iraquiano.Al-Douri disse ainda que os EUA tinham até mesmo planejado dividir o Iraque antes da invasão do país em 1991. Ele acrescentou que os EUA estavam agora usando a questão humanitária para esconder sua "agressão criminosa". O embaixador iraquiano exortou o Conselho de Segurança para suspender a guerra no Iraque, dizendo que acabar com o conflito era ainda mais importante do que enviar assistência humanitária para a região. Al-Douri foi o último de 80 oradores do primeiro debate aberto do Conselho de Segurança sobre o Iraque desde o início da guerra, na semana passada. "O Reino Unido e os EUA estão a ponto de começar uma guerra real de extermínio, que vai matar todos e destruir tudo", alertou Al-Douri. "Se a questão humanitária é muito importante, é mais importante parar a guerra", acrescentou. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.