Embaixador dos EUA no Paraguai canta em guarani

Cason surpreendeu os paraguaios

Associated Press, ASSUNÇÃO, O Estadao de S.Paulo

30 de julho de 2008 | 00h00

O embaixador dos Estados Unidos no Paraguai, James Cason, de 63 anos, anunciou ontem que está formando uma banda para seguir carreira cantando canções paraguaias folclóricas - e no idioma guarani. À frente do recém-criado grupo Embajadorkué e Seus Comparsas (o sufixo kué significa "ex" no idioma guarani), Canson pretende ocupar seu tempo após a aposentadoria, em agosto, fazendo shows de música tradicional paraguaia em seu país. O anúncio foi feito numa entrevista com o jornal local Popular, mas não surpreendeu os paraguaios, que estão fazendo de Cason um popstar improvável. Seu CD Campo Jurado, lançado no mês passado e anunciado no site da embaixada americana em Assunção, está virando hit no Paraguai. Seu lançamento fez a agenda de Cason ficar repleta de entrevistas e aparições na TV local. Com 16 músicas em guarani - uma delas, de composição própria -, o CD tem suas vendas revertidas para a concessão de bolsas para jovens paraguaios estudarem inglês.Domingo Laíno, candidato presidencial em três ocasiões pelo opositor Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA), criticou duramente o embaixador americano por cantar na língua guarani. Para ele, grandes artistas paraguaios do passado "devem estar se revirando em suas tumbas" por suas músicas estarem sendo cantadas por Canson.Bem-humorado, o embaixador respondeu aos ataques numa rádio local, cantarolando um trecho de uma canção em guarani: "Só me resta chorar, minha querida, meu coração não agüenta."Há três anos no Paraguai e mais de 30 servindo o governo americano na América Latina, Cason foi chefe do Escritório de Interesses dos EUA em Cuba de 2002 a 2005, quando inaugurou no jardim de sua residência em Havana uma polêmica réplica metálica da Estátua da Liberdade.Ao lado do monumento, um placar lembrava o número de cubanos detidos pelo governo numa ofensiva contra dissidentes em 2003: 75. As ligações com Cason estavam entre as principais acusações contra esses dissidentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.