Embaixador dos EUA pede que China respeite direitos

O embaixador dos EUA em Pequim, Gary Locke, insistiu que a China respeite os direitos de ativistas e afirmou que Washington está profundamente preocupado sobre o destino de um ativista da minoria uigur.

AE, Agência Estado

27 de fevereiro de 2014 | 03h13

O embaixador fez o apelo ao final de sua última coletiva de imprensa como embaixador, depois de um mandato de dois anos que incluiu sérias crises diplomáticas, bem como grandes expansões no comércio.

Locke afirmou que o governo dos EUA está muito preocupado com o destino de Ilham Tohti, defensor da minoria muçulmana uigur que foi formalmente preso na terça-feira.

Locke defende que a China defenda o valor não apenas do bem estar econômico do povo, mas também de sua liberdade de expressão, associação e religião. O Partido Comunista da China rotineiramente classifica tais declarações como interferências na política interna. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Euachinadireitos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.