Embaixador iraquiano desconsidera discurso de Bush

O embaixador iraquiano na ONU desconsiderou o discurso do presidente dos EUA, George W. Bush, perante a Assembléia das Nações Unidas, afirmando que o mandatário americano carecia de credibilidade e só estava motivado pelo desejo de vingança e ambições políticas. "Ele quer enganar o mundo e seu próprio povo com a mais longa série de mentiras jamais ditas pelo líder de uma nação", disse o embaixador Mohamed al-Douri.Foi a primeira reação iraquiana ao discurso em que Bush advertiu Bagdá de que deve acatar as resoluções da ONU ou enfrentar suas conseqüências. Bush disse que "não podemos ficar de braços cruzados enquanto as ameaças aumentam... Devemos defender nossa segurança e os direitos e esperanças permanentes da humanidade". Pouco antes do discurso de Bush, o Iraque já havia advertido os EUA, através de seu chanceler Naji Sabri, de que o país está disposto a rechaçar qualquer ataque militar americano com as armas que tenha à sua disposição - incluindo facões de cozinha, pedras e bastões. "Se formos atacados, usaremos tudo aquilo que esteja à nossa disposição, isto é, bastões, facões de cozinha, pedras e nossas próprias mãos, para defender-nos. Jamais permitiremos queestes sionistas invadam nosso pais", afirmou Sabri em Bagdá. Por sua vez, o ministro do Petróleo, Amir Rashid, acusou os EUA de estarem "tentando assumir o controle do mundo e de seus recursos petrolíferos" - tentativas que, segundo ele, "estão destinadas ao fracasso". Rashid acrecentou que a União Européia (UE), Japão, Rússia, China e outras nações "já estão cansados da hegemônica agressividade americana para controlar o mundo e seu petróleo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.