Embaixador italiano na Arábia teria se convertido ao islamismo

"Somos todos muito católicos e devotos", afirma, com ceticismo, a mãe do embaixador italiano em Riad, Torquato Cardilli, que, segundo notícias publicadas pela imprensa saudita e italiana, teria se convertido à fé islâmica nas vésperas do Ramadã. Dois importantes jornais sauditas, Okaz e Al Ryhad, destacaram a notícia da recente conversão do embaixador à religião de Maomé. É a segunda vez que o fato acontece, já que o antecessor de Cardilli, Mario Scialoja, também abraçou a fé muçulmana na capital saudita. O diplomata italiano revelou aos jornais de Riad que sua conversão foi fruto de seus aprofundados estudos sobre o Corão e a civilização islâmica. Cardilli, de 59 anos, casado e com dois filhos, chegou a Riad em outubro passado, mas sua carreira o havia levado antes a vários países islâmicos: Sudão, Síria, Iraque e Líbia. Com doutorado em língua e literatura orientais, o diplomata italiano é grande conhecedor do Islã e viajou para Meca antes de sua conversão em meados de novembro, coincidindo com o início do Ramadã. No entanto, a mãe e o irmão do embaixador, este último cavaleiro do Santo Sepulcro, estão céticos a respeito da conversão de Cardilli, e dizem que só tomaram conhecimento dela através da imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.