EFE/LUKAS COCH
EFE/LUKAS COCH

Mundo entrará em 'situação de Guerra Fria' se represálias a Moscou continuarem, diz embaixador russo

Grigory Logvinov afirmou que o número de países que expulsaram representantes russos 'não é significativo', e rejeitou as acusações de que a Rússia esteja envolvida no ataque ao ex-espião Serguei Skripal

O Estado de S.Paulo

28 Março 2018 | 04h27
Atualizado 28 Março 2018 | 12h13

JACARTA - O embaixador russo na Austrália, Grigory Logvinov, disse nesta quarta-feira, 28, que o mundo entrará em uma "situação da Guerra Fria" se os países ocidentais continuarem com suas represálias a Moscou, em resposta ao envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal no sul da Inglaterra, no dia 4 de março.

+ Gilles Lapouge: A resposta da Europa

+ Luxemburgo convoca embaixador na Rússia para consultas sobre envenenamento de ex-espião

"O Ocidente precisa entender que a campanha anti-Rússia não tem futuro", disse Logvinov a repórteres em Camberra. "Se isso continuar, estaremos profundamente em uma situação de Guerra Fria."

+ Expulsão de diplomatas é secundária para Putin diante de tragédia

+ Relações diplomáticas entre EUA e Rússia: as expulsões de representantes ao longo dos anos

O embaixador afirmou ainda que o número de países que expulsaram representantes russos "não é significativo", e que não sabe como Moscou retaliará a Austrália, que anunciou que expulsaria dois diplomatas.

A Rússia nega qualquer participação no ataque a Skripal e sua filha, Yulia. Os dois continuam hospitalizados em estado grave. Os EUA e diversos governos europeus expulsaram mais de 100 diplomatas russos em resposta ao envenenamento do ex-agente. 

Logvinov rejeitou as acusações de que a Rússia esteja envolvida na ação e ressaltou que o país ainda precisa decidir sobre sua resposta às ações diplomáticas dos aliados britânicos. "Eu disse que não temos evidências. O Reino Unido se negou a dar qualquer evidência. Eles se negaram a seguir os protocolos da Convenção de Proibição de Armas Químicas", disse ele. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.