Embaixador terá que provar acusações de terrorismo

O embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Cristobal Orozco, vai ser interpelado judicialmente pela subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Foz do Iguaçu no Paraná. Ele poderá ser responsabilizado por danos morais à cidade, caso não comprove o vínculo da região de fronteira de Foz com o Paraguai e a Argentina com o terrorismo internacional, conforme disse à imprensa. Ele insinuou a existência na região de pessoas ligadas à organização Al-Qaeda, de Osama bin Laden. Para o presidente da seccional da OAB, Márcio Rogério de Souza, a medida é uma maneira de dar um basta ao processo de difamação que vem comprometendo a imagem da cidade no exterior. A Ordem vai cobrar do embaixador uma retratação pública ou a comprovação do vínculo da fronteira com grupos terroristas. "De agora em diante, quem fizer declaração caluniosa sobre a região terá o mesmo tratamento", avisa.O egípcio Mohamed Ibrahim Soliman tem prazo até domingo para deixar o Brasil, conforme notificação entregue a ele pela Polícia Federal no sábado. Soliman vive desde 1999 em Foz do Iguaçu, no Paraná, onde responde a inquérito policial por contrabando. O documento de permanência no País está vencido, mas o advogado dele vai tentar regularizar a situação. Soliman tem um filho nascido no Brasil, o que pode ajudá-lo no processo.Em 1998, ele e outro egípcio foram detidos no Uruguai por suspeita de envolvimento nos atentados terroristas contra entidades judaicas em Buenos Aires na década de 90. Soliman foi solto por falta de provas, mas o colega dele continua preso. Há um ano ele vem se apresentando todos os meses no Fórum por causa do flagrante com contrabando procedente do Paraguai. A delegacia da PF em Foz desconhece o vínculo dele com atividades terroristas.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.