Michael A. McCoy/The New York Times
Michael A. McCoy/The New York Times

Embaixadora afegã nos EUA nomeada dias antes da vitória taleban defende governo que já não existe

Adela Raz chegou a Washington pouco antes da queda do governo de seu país e tem lutado para manter a embaixada funcionando - sem representar o Taleban

Jennifer Steinhauer, The New York Times, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2021 | 15h00

A bandeira listrada ainda está hasteada na frente da Embaixada do Afeganistão em Washington, embora o Taleban tenha passado a usar uma bandeira branca desde que tomou o poder no país em agosto. O pessoal da embaixada, leal a um governo que não existe mais, é mínimo e a maioria não é remunerada, e nem mesmo está claro se as luzes permanecerão acesas no próximo mês.

Ainda assim, Adela Raz, que começou a servir como embaixadora do governo afegão nos EUA poucas semanas antes de o Taleban assumir o controle, está tentando ao máximo usar o que resta de seu poder (desconhecido), recursos (praticamente inexistentes) e devoção à sua terra natal (vasto) para ajudar os afegãos deslocados e agradecer a outros que apoiaram sua causa. No topo de sua lista: veteranos americanos que serviram no Afeganistão durante 20 anos de guerra.

“Ainda estou aqui”, disse Raz, que continua trabalhando na embaixada sem interagir com o Taleban. Seus dias, disse ela, têm sido “difíceis e sombrios, e cheios de decepção e choque”, enquanto ela se senta em uma embaixada que representa um governo extinto, em oposição aberta ao que o substituiu.

Na quarta-feira à noite, ela ofereceu um pequeno jantar para veteranos americanos no que restou da embaixada. “Eu realmente percebi que é difícil para eles também”, disse ela.

“Muitos estão questionando a coisa toda:‘ Nosso investimento valeu a pena? Fizemos a coisa certa ou não? 'Para mim, isso foi muito importante, para esses veteranos ouvirem de nós que somos gratos pelo que fizeram", disse ela.

Os eventos em embaixadas costumam ser luxuosos, mas este refletia uma nova era. A embaixadora Raz arrumou a mesa sozinha e ajudou a escrever crachás. Nenhum serviço de luvas brancas desta vez, apenas um buffet. Ela trabalhou com organizações de veteranos de todo o espectro político - que arcaram com a conta do jantar - para selecionar 20 veteranos para comparecer.

“Suas contribuições fizeram a diferença”, disse ela ao grupo. “Podemos ter perdido um país, mas não perdemos a nação. Eles ainda estão todos aqui. Você deveria estar orgulhoso."

Com pratos tradicionais afegãos de espinafre, bolinhos de carneiro, abóbora e arroz e pão, os veteranos relembraram sua época no país. Eles falaram sobre suas interações com crianças que estavam na escola pela primeira vez e com mulheres votando pela primeira vez, e ponderaram se o buzkashi, um esporte regional, seria viável nos Estados Unidos, embora lutar por uma cabra abatida parecesse angustiante para alguns.

Durante uma sobremesa de leite e arroz doce, o coronel Abdul Barakzai, adido militar do Afeganistão, pediu ajuda para retirar mais militares do Afeganistão e imaginou, talvez ingenuamente, um futuro no qual eles lutariam novamente ao lado dos americanos contra os "bandidos".

Foi um sentimento particularmente interessante, dado o fracasso das forças afegãs em evitar o colapso de seu país no final, e dados os milhares de afegãos que tiveram que brigar intensamente para garantir as promessas de salvo-conduto para os Estados Unidos depois de ajudar as forças da coalizão ao longo dos anos.

Foram-se os músicos afegãos que haviam animado tantos jantares na embaixada antes, menos por causa de restrições de orçamento do que por causa das reservas emocionais de Raz.

“Não posso fazer isso”, disse ela, lembrando-se de um evento para arrecadar fundos não muito depois da queda do governo afegão, em agosto, durante o qual uma banda tradicional tocou o hino nacional. “Foi muito emocionante", disse Raz. “Eu estava chorando tão alto que tive que subir para o meu escritório para me acalmar.”

Raz tinha 16 anos quando as forças americanas invadiram o Afeganistão após os ataques de 11 de setembro. A chegada deles anunciou um novo futuro para ela e outras mulheres e meninas afegãs, e ela rapidamente se matriculou no ensino médio. Mais tarde, ela frequentou o Simmons College (agora chamado de Simmons University) e a Fletcher School da Tufts University nos Estados Unidos, com bolsa de estudos.

Em 2013, ela voltou ao Afeganistão e passou a ocupar cargos de alto escalão no governo, até, em 2018, tornar-se a primeira embaixadora do Afeganistão nas Nações Unidas e, em julho, ser nomeada embaixadora nos Estados Unidos. Ela se mudou com suas duas filhas, de 4 e 2 anos, respectivamente. “Eu estava acabando de me estabelecer”, disse ela, “Então a montanha-russa começou com tudo.”

O colapso do Afeganistão começou em 6 de agosto, com a queda de uma capital de província ocidental para forças do Taleban. Em 15 de agosto, os combatentes do grupo tomaram Cabul, quando os americanos começaram uma retirada caótica de dezenas de milhares de pessoas.

Raz passou seu curto mandato oficial pressionando o governo Biden a intervir com mais força para ajudar as mulheres deixadas para trás. Seu futuro não está claro - ela permanecerá embaixadora ou, mais provavelmente, encontrará uma maneira de mudar seu status de imigração para trabalhar no pais?

Embaixadas estrangeiras que foram fechadas por questões de segurança estão começando a retornar a Cabul. Não se espera que a administração Biden reabra a Embaixada dos Estados Unidos tão cedo; em vez disso, pediu ao governo do Catar que represente alguns de seus interesses diplomáticos no Afeganistão, incluindo os serviços consulares. O Taleban intensificou as discussões diretas, incluindo uma reunião esta semana em Doha, Qatar, que um funcionário do Departamento de Estado descreveu como "uma continuação da diplomacia pragmática".

No final da noite de quarta-feira, Raz olhou melancolicamente para o outro lado da mesa que havia colocado, observando que a reunião trouxe de volta "o espírito dos velhos tempos na embaixada". Enquanto os veteranos terminavam o chá e desciam as escadas, ela disse: “Este lugar, desde que esteja aberto, é sua segunda casa”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.