Embaixadores estudam postura da UE sobre golpe na Tailândia

Embaixadores dos países da União Européia (UE) se reuniram nesta segunda-feira em Bangcoc para definir a política que o bloco adotará em suas relações com a Tailândia após o golpe de Estado, indicaram fontes diplomáticas.Esta é a primeira reunião formal realizada pelos chefes das missões diplomáticas da UE desde que um grupo de militares depôs, na terça-feira passada, o primeiro-ministro, Thaksin Shinawatra."Após a reunião, efetuaremos recomendações a nossos respectivos Governos", disse um embaixador europeu.Existem divergências entre os países do bloco sobre qual postura política conjunta deve ser adotada pela UE, o terceiro maior parceiro comercial da Tailândia, depois do Japão e dos Estados Unidos.Enquanto alguns dos 25 países da UE se inclinam por solicitar à junta militar tailandesa que devolva o poder a Shinawatra, outros defendem uma pressão para que o novo Governo efetue com rapidez as reformas democráticas que prometeu.Após o golpe, o primeiro-ministro finlandês, Matti Vanhanen, cujo país exerce neste semestre a Presidência da UE, expressou sua "forte preocupação" diante dos eventos ocorridos na Tailândia, e pediu "um retorno à ordem democrática sem demora".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.