Embargo à carne é política, dizem cientistas canadenses

A decisão do Canadá de suspender as importações de carne brasileira foi muito mais política que sanitária. A declaração é de autoridades de saúde do Canadá, incluindo dois cientistas do instituto de pesquisa Health Canada. Em entrevista ao jornal canadense The Globe and Mail, eles afirmam que não existem argumentos que sustentem a proibição da entrada de carne brasileira no país. Um dos cientistas, que pediu para não ser identificado, diz que a suspensão foi decidida sem que os cientistas que estudam o mal da vaca louca fossem consultados. "A carne produzida pelo Brasil não leva riscos à saúde dos consumidores. Porque não foram suspensas as importações da Austrália, Argentina, Índia ou qualquer outro país de onde compramos carne? Porque o Brasil foi escolhido? É uma guerra comercial", questiona o pesquisador.Margareth Haydon, pesquisadora do Health Canada, acredita que as causas da polêmica são políticas. "Na minha opinião, a carne brasileira é tão segura quanto a canadense".Michael McBain, coordenador nacional da Coalizão Canadense de Saúde, diz que se o governo canadense está preocupado com a doença da vaca louca, deveria introduzir medidas mais abrangentes do que simplesmente banir a carne brasileira.Ele afirma que, de acordo com a Statistics Canada, o país importou 2,8 milhões de carne entre 1996 e 2000 de países europeus onde foram detectados casos de doença da vaca louca.

Agencia Estado,

09 de fevereiro de 2001 | 15h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.