Embora condenado, prefeito de Cabul segue no cargo

O prefeito de Cabul continuou hoje a administrar a capital do Afeganistão, embora tenha sido sentenciado a quatro anos de prisão por corrupção. O fato levantou dúvidas sobre a seriedade do compromisso do presidente Hamid Karzai de enfrentar esse tipo de crime no governo. O prefeito Abdul Ahad Sahebi foi considerado culpado na segunda-feira por fazer um contrato para um projeto da cidade sem licitação. Uma corte afegã o sentenciou a quatro anos de prisão e ordenou que ele pagasse mais de US$ 16 mil.

AE-AP, Agencia Estado

09 de dezembro de 2009 | 09h52

"Eu sou prefeito. Continuo com meu trabalho", disse hoje Sahebi, de 63 anos. Ele afirmou que pediu a Karzai, aos membros do Parlamento, ao procurador-geral e ao chefe da Suprema Corte que investiguem o caso. "Eu não aceito a decisão da corte. Há uma conspiração contra mim."

O chefe de investigações do escritório da procuradoria-geral afegã, Hafizullah Hafiz, disse que o prefeito escreveu uma carta ao procurador-geral pedindo que ele não fosse preso porque estava doente. O procurador-geral encaminhou a carta do prefeito à corte que o sentenciou.

"No entender do procurador-geral, ele não é prefeito de Cabul", afirmou Eyatullah Kamal, chefe de investigações judiciais do escritório da procuradoria-geral. "Foi uma surpresa que ele tenha voltado para seu emprego - que tenha ousado dar uma entrevista coletiva. A corte é a corte deste país e ninguém pode parar uma decisão dela. A corte tomou a decisão."

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoprefeitoCabulcondenação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.