Emboscada palestina mata 13 soldados israelenses

Palestinos mataram hoje numa emboscada 13 soldados israelenses durante confrontos nas vielas do campo de refugiados de Jenin, no maior golpe sofrido pelo Exército de Israel na ofensiva de 11 dias lançada na esperança de esmagar terroristas palestinos.Desafiando exigências dos EUA para concluir sem demora a "Operação Muralha Defensiva", o primeiro-ministro Ariel Sharon prometeu que ela continuará."Tem sido um dura campanha, uma campanha que estamos dando continuidade... até que cumpramos a decisão do gabinete que pede pela destruição da infra-estrutura dos grupos de terror", afirmou Sharon à tevê israelense. "Esta batalha é pela sobrevivência do povo judeu, pela sobrevivência do Estado de Israel".Pelo menos 124 palestinos e 24 soldados israelenses já morreram durante a ofensiva, segundo médicos palestinos e o Exército de Israel. O número deve aumentar devido a notícias de que palestinos mortos ainda não foram retirados de áreas de batalha, especialmente do campo de Jenin, um bastião de militantes ao lado da cidade de Jenin no norte da Cisjordânia.Várias centenas de palestinos armados estão cercados numa pequena área do campo, com helicópteros de combate israelenses dando cobertura para tropas terrestres. Os militantes palestinos disseram que preferem morrer a se renderem.O porta-voz do Exército de Israel, general de brigada Ron Kitrey, disse que os 13 soldados foram mortos numa dupla emboscada bem executada. Um grupo de soldados estava passando por uma viela quando ocorreram explosões simultâneas, matando vários soldados e demolindo uma casa, segundo Kitrey.Pouco metros dali, milicianos palestinos em cima de telhados atacaram soldados israelenses que haviam entrado no jardim de uma casa, matando outros soldados, afirmou Kitrey.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.