Emissão de cinzas por vulcão islandês está diminuindo, diz cientista

Segundo ele, não há mais uma coluna de cinzas no topo do vulcão.

Matt McGrath, BBC

19 de abril de 2010 | 17h00

Um cientista britânico que vem monitorando a erupção do vulcão da geleira Eyjafjallajoekull, na Islândia, disse à BBC que está "cautelosamente otimista", já que a emissão de cinzas parece ter começado a diminuir.

David Rothery, do Departamento de Ciências Ambientais e da Terra da Open University, afirmou que suas mais recentes observações mostraram que não há mais uma coluna de cinzas sendo lançada a altas altitudes pelo vulcão, apesar de ele ainda estar em erupção.

A nuvem de cinzas vulcânicas originadas na Islândia na última quarta-feira se espalhou pelo resto do norte da Europa, levando ao fechamento do espaço aéreo em 20 países e provocando uma das maiores crises já enfrentadas pela aviação civil.

Rothery está estudando o vulcão por meio de imagens transmitidas em tempo real por webcams colocadas no seu topo.

Fogo e gelo

Segundo ele, o que torna este vulcão tão diferente dos demais no resto do mundo é uma combinação de fogo e gelo.

Como sua base está sob uma geleira, o calor do vulcão faz o gelo evaporar. Esse vapor, por sua vez, provoca erupções explosivas que lançam minúsculos fragmentos de rocha a grandes altitudes.

Para Rothery o que está ocorrendo no coração do Eyjafjallajoekull é que as águas derretidas da geleira estão sendo impedidas de se misturar com o magma por uma nova parede de lava solidificada.

Ele afirma ainda que uma nova fissura pode se abrir a qualquer momento e lançar uma nova nuvem de cinzas gigante na atmosfera.

Além disso, mesmo se isso não ocorrer, ainda pode levar dias até que a atual nuvem se disperse.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.