KCNA/Reuters
KCNA/Reuters

Emissário chinês se reúne com Kim

De acordo com imprensa oficial chinesa, diplomata obteve consenso sobre crise coreana

Reuters e Efe,

09 de dezembro de 2010 | 09h17

A China anunciou nesta quinta-feira, 10, ter chegado a um consenso sobre a crise na península coreana após uma reunião entre um emissário de Pequim e o ditador norte-coreano,Kim Jong-il, informou a agência estatal de notícias chinesa, Xinhua.

 

Veja também:

video Vídeo: Veja imagens do ataque norte-coreano

blog  Radar Global: O armistício de Pan-Mun-Jon

especial Infográfico: As origens do impasse na península coreana

lista Entenda a crise entre os dois países

"Houve uma conversa franca e profunda sobre as relações entre China e a Coreia do Norte, assim como sobre a situação na península, e chegaram a importantes consensos", destacou um comunicado oficial ao fim do encontro, que ocorre em momento de alta tensão na região.

O conselheiro de Estado da China, Dai Bingguo, se encontrou com Kim na capital norte-coreana, Pyongyang, segundo a Xinhua, e as duas partes chegaram a acordo sobre relações bilaterais e a situação na península coreana. A agência oficial da Coreia do Norte, KCNA, também informou sobre a reunião. Nenhum dos lados deu detalhes sobre as decisões.

Negociação nuclear

A Xinhua detalha que participou da reunião ainda o chefe da delegação para o diálogo de seis lados da China a sobre a desnuclearização da Península Coreana, Wu Dai, assim como o vice-ministro de Assuntos Exteriores Zhang Zhijun.

Dai viajou recentemente à Coreia do Sul, onde reuniu-se com as altas instâncias, incluindo o presidente Lee Myung-bak, em 28 de novembro em Seul.

Analistas interpretam a atual viagem de Dai à Coreia do Norte, iniciada na quarta-feira, como uma tentativa da China de reduzir a tensão na região após o recente ataque norte-coreano à ilha sul-coreana de Yeonpyeong.

Tensão diplomática

 

A reunião com Kim ocorre pouco depois de os responsáveis de Assuntos Exteriores dos Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão pedissem maior compromisso da China para pressionar seu aliado e evitar futuras provocações.

No mês passado, forças norte-coreanas bombardearam no mês passado uma ilha sul-coreana, matando quatro pessoas, incluindo dois civis. A Coreia do Norte também revelou recentemente avanços em seu programa nuclear que abriram novo caminha para a fabricação de uma bomba atômica.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaCoreia do Norteunião

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.