Emissário francês já coordena libertação de jornalista sequestrado pelas Farc

Na 1ª reunião de Chauvin, foram abordados alguns detalhes da operação humanitária

Efe,

29 Maio 2012 | 03h37

BOGOTÁ - O alto funcionário francês Jean-Baptiste Chauvin já está na Colômbia, como emissário do presidente François Hollande, para coordenar e participar da missão que recolherá na quarta-feira o jornalista Roméo Langlois, sequestrado há um mês pelas Farc.

 

Fontes da missão humanitária que irá às selvas do sul da Colômbia para recolher Langlois confirmaram à Agência Efe que Chauvin chegou a Bogotá na segunda-feira, 28, e logo depois manteve uma reunião com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). A presença do delegado do Governo francês foi uma condição imposta pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que no domingo anunciaram que a libertação acontecerá na quarta-feira.

 

Na primeira reunião de Chauvin com o CICV, foram abordados assuntos relacionados com os detalhes da operação humanitária, indicou o delegado do CICV na Colômbia, Jordi Raich. A reunião contou com a participação da ex-senadora colombiana Piedad Córdoba, que também fará parte da missão por solicitação das Farc. A ex-senadora acredita que no início da tarde desta terça-feira, 29, será divulgada a localidade desde onde partirá a missão. Na manhã de quarta-feira, 30, será a vez do anúncio do local exato onde o repórter será recolhido.

 

O correspondente da rede de televisão "France 24" e do diário "Le Figaro" foi tomado como refém em 28 de abril no departamento de Caquetá, onde também deverá acontecer a libertação. O jornalista se encontrava no local junto a militares e policiais que produziriam uma operação antidrogas e que acabaram sendo alvo de uma ofensiva guerrilheira, que deixou vários mortos entre as forças de segurança do Estado.

 

Na segunda-feira, 28, quando se completou um mês do sequestro, a emissora internacional "Telesur", com sede em Caracas, divulgou um vídeo no qual Langlois é visto sorridente e em bom estado de saúde, mas com um ferimento em um dos braços. O comandante da frente das Farc que sequestrou Langlois, conhecido como Colacho Mendoza, confirmou nesse mesmo vídeo que o jornalista foi baleado durante o enfrentamento que a guerrilha travou contra militares e policiais colombianos em 28 de abril.

Mais conteúdo sobre:
FarcRoméo LangloisColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.