EFE/MAURICIO DUEÑAS CASTAÑEDA
EFE/MAURICIO DUEÑAS CASTAÑEDA

Emissora colombiana RCN diz que também foi retirada do ar na Venezuela

Sinal foi removido das operadores de televisão por assinatura na quinta-feira, horas depois de a Comissão Nacional de Telecomunicações ordenar medida semelhante contra outra emissora colombiana, a Caracol Televisión

O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2017 | 09h57

BOGOTÁ - A emissora colombiana RCN Televisión afirmou na quinta-feira que também foi excluída pelo governo venezuelano da grade televisiva desse país, assim como ocorreu com a Caracol Televisión horas antes.

"A RCN, o Noticias RC' e o sistema de canais internacionais da RCN rejeitam de maneira categórica o ato administrativo de censura contra o canal, uma decisão adotada (...) pela comissão nacional de telecomunicações da Venezuela", afirmou um comunicado da emissora.

O sinal do canal colombiano Caracol Televisión também foi retirado do ar na Venezuela na madrugada da quinta-feira por ordem do governo do presidente Nicolás Maduro.

Nesse sentido, a RCN indicou no comunicado que a Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel) da Venezuela ordenou a retirada do canal da grade de programação "segundo anunciaram diferentes serviços de televisão por assinatura que operam no país vizinho".

"A censura sistemática ordenada pelo regime de Nicolás Maduro contra a RCN, o Noticias RCN e o sistema de canais internacionais da RCN data de 12 de fevereiro de 2014, quando a Conatel resolveu censurar nosso canal NTN24", destacou a emissora.

Apesar dessas situações que consideram "graves violações" contra os seus direitos à liberdade de imprensa e de expressão na Venezuela, a emissora ressaltou que continuará com seu "dever profissional de manter bem informados os cidadãos das Américas". Além disso, reiterou seu "compromisso com a democracia e os direitos humanos". / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.