Emissoras iniciam transmissão digital em ondas curtas

A BBC, A Voz da América e outras emissoras internacionais lançaram nesta segunda-feira um serviço de rádio digital em ondas curtas, prometendo qualidade de som semelhante à da FM, em vez dos sinais cheios de estática das ondas curtas tradicionais.Deve levar de seis meses a vários anos antes que os consumidores tenham acesso a receptores digitais com preço compatível ao do rádio comum, mas o consórcio Digital Radio Mondiale escolheu o encontro global de rádios de Genebra para lançar a nova tecnologia. ?O início do DRM vai mudar o curso da transmissão radiofônica para sempre?, disse Peter F. Senger, presidente do consórcio.Os primeiros sinais foram transmitidos pouco depois das 18h00 GMT (15h00, horário de Brasília), quando Senger, que também é executivo da alemã Deutsche Welle, deu a ordem, numa cerimônia conjunta com a Conferência Mundial de Radiocomunicação. Ao menos por enquanto, as empresas manterão o sinal analógico ao lado do digital, para que rádios tradicionais continuem a pegar as transmissões.A nova tecnologia também está sendo usada nas ondas médias, ou AM, e pode ser adaptada para ondas longas, um padrão utilizado em partes da Europa. Usando o mesmo princípio aplicado a computadores e CDs, as transmissões de rádio passam a ter forma digital. Em vez apenas uma onda portadora, que pode falhar ou sofrer interferência, o novo sistema usa mais de duzentas, todas dentro da mesma faixa de freqüência dos sinais analógicos, explicou Senger.Assim, mesmo se parte da informação em uma das portadoras de perder, há redundância suficiente no sinal para permitir que o receptor reconstitua o sinal original. Senger disse que o novo sistema usa muito menos eletricidade que o analógico.As primeiras transmissões serão dirigidas à Europa, Austrália, América do Norte, Nova Zelândia e Oriente Médio. O Serviço Mundial da BBC está utilizando transmissores na Grã-Bretanha e Canadá; a Voz da América transmite digitalmente em árabe para o Marrocos e A Deustche Welle transmite a partir de Portugal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.