Eric FEFERBERG AND JOEL SAGET / AFP
Eric FEFERBERG AND JOEL SAGET / AFP

Macron é o mais votado e disputará com Le Pen segundo turno na França

Social-liberal torna-se o favorito para assumir o Palácio do Eliseu, candidata da Frente Nacional fica abatida com resultado inferior às projeções das pesquisas, apesar de a extrema direita ter obtido seu melhor desempenho na história

Andrei Netto, Correspondente / Paris, O Estado de S. Paulo

23 Abril 2017 | 15h16

O ex-ministro da Economia Emmanuel Macron, do recém-criado movimento En Marche! (social-liberal), venceu neste domingo, 23, o primeiro turno das eleições presidenciais na França. Considerada favorita durante grande parte da campanha, a eurodeputada Marine Le Pen, do partido nacionalista Frente Nacional (extrema direita), acabou em segundo lugar. 

Ambos disputarão o segundo turno em 7 de maio, encerrando o bipartidarismo de socialistas e republicanos, que durante 36 anos se alternaram no Palácio do Eliseu. 

A vitória de Macron, que até três anos atrás era desconhecido do grande público, ficou clara desde as primeiras projeções de boca de urna divulgadas às 20 horas (15 horas de Brasília). Apurados 93% dos votos, segundo o Ministério do Interior, o ex-ministro reunia 23,56% dos votos. Com 21,94%, Marine Le Pen, que dominou as pesquisas em 2016 e no início de 2017, acabaria vencendo o conservador François Fillon, do partido Republicanos.

A disputa, apertada como previam as sondagens, seguiu em aberto pelo terceiro lugar, com vantagem para o conservador, que reuniu 19,74% dos votos, contra 19,54% do radical de esquerda Jean-Luc Mélenchon, do França Insubmissa.

Benoit Hamon, ex-ministro da Educação e deputado que liderou um movimento de oposição dentro do Partido Socialista (PS) contra o presidente François Hollande, do mesmo partido, registrou o pior resultado da legenda em 48 anos, com 6,24% dos votos.

Em uma atmosfera de vitória por antecipação, Macron lançou sua campanha de segundo turno em um discurso a seus militantes em um pavilhão em Porte de Versailles em Paris. “Desejo ser o presidente de todo o povo da França, dos patriotas frente à ameaça dos nacionalistas”, afirmou, em referência indireta à candidata da FN. 

Fiel à sua plataforma social-liberal, o ex-ministro prometeu liberar a economia, ao mesmo tempo em que prometeu manter o Estado de bem-estar social: “Um presidente que protege, que transforma e constrói, que permite àqueles que querem criar, inovar, empreender, trabalhar e a realizar mais facilmente e mais rápido. Um presidente que ajuda os que têm menos, que são mais frágeis ou abalados pela vida, por meio da escola, da saúde, do trabalho, da solidariedade”.

Falando minutos antes na cidade de Hénin Beaumont, governada pela FN, Le Pen mostrou-se abatida pelo resultado – bem inferior às primeiras pesquisas de opinião, apesar de a extrema direita ter obtido seu melhor resultado na história. “O sistema procurou por todos os meios sufocar o grande debate político que deveria ser essa eleição”, acusou, posicionando-se como candidata antissistema.

“Ou nós continuamos nessa via de desregulamentação total, de transferência de empresas para o exterior, de imigração em massa, de livre circulação de terroristas, o reino do dinheiro, ou vocês escolherão a França com fronteiras que protegem nossa identidade.”

Tão logo as primeiras projeções foram divulgadas, teve início uma onda de manifestações de apoio a Macron. Um dos primeiros foi o premiê Bernard Cazeneuve, que pediu ao país que impeça a chegada da Frente Nacional ao poder. Entre os candidatos, o socialista Hamon foi o primeiro a pedir apoio a Macron, seu ex-colega de ministério, seguido do republicano Fillon. 

Pesquisa. Ainda hoje, uma primeira pesquisa do instituto Ipsos apresentou as intenções de voto para o segundo turno. Macron teria 62% dos votos e Marine Le Pen, 38%.

 

Mais conteúdo sobre:
Emmanuel Macron Marine Le Pen França

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.