EFE/Mauricio Dueñas
EFE/Mauricio Dueñas

Emmanuel, 'o filho da guerra', entrega símbolo da paz ao papa Francisco

Filho de política que ficou 6 anos sequestrada pelas Farc entrega artesanato de pomba ao pontífice

O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2017 | 23h07

BOGOTÁ - O papa Francisco recebeu uma pomba da paz como primeiro presente após a sua chegada à Colômbia das mãos de Emmanuel, o filho da política Clara Rojas, que nasceu durante o cativeiro de quase seis anos em que sua mãe permaneceu após ser sequestrada pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

O presente adornado com ilustrações de orquídeas, a flor nacional da Colômbia, foi recebido pelo santo padre minutos após ter descido da aeronave de Alitalia no aeroporto militar de Catam, ao oeste da capital Bogotá.

"A pomba significa paz na Colômbia e nós queremos dar a nossa paz a Deus e como oferenda ao papa", explicou Emmanuel ao pontífice enquanto lhe entregava o presente.

Francisco tomou a pomba entre suas mãos em sinal de proteção e depois estendeu a mão a Emmanuel enquanto sorria perante o olhar atento do presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, e da mulher dele, María Clemencia Rodríguez.

"Expliquei ao santo padre que é o filho da guerra, o filho de uma grande pessoa, Clara Rojas, que esteve sequestrada muitíssimos anos. Lá teve seu filho", contou o presidente a jornalistas, no centro de imprensa do Hotel Tequendama em Bogotá.

O governante também ressaltou que a história de vida de Emmanuel "simboliza o que estamos vivendo na Colômbia, um menino que nasceu na guerra, mas que agora tem todas as oportunidades para crescer em paz".

Em 2002 Clara Rojas, vice na chapa da então candidata a presidente Ingrid Betancourt, foi sequestrada pelas Farc, agora convertidas em partido politico.

Dois anos mais tarde, Rojas deu à luz a Emmanuel na selva, sob condições extremas que por pouco não provocam a morte de ambos.

O menino, que atualmente tem 13 anos e é fruto de uma relação consentida com um guerrilheiro, foi separado forçadamente da sua mãe no mesmo ano do seu nascimento.

Em 10 de janeiro de 2008 Clara Rojas foi libertada e pôde reencontrar-se com o filho que já tinha 3 anos e tinha sido criado com o nome de Juan David Gómez Tapiero.

Emocionado pelo encontro com sua santidade, Emmanuel disse "não se pode descrever com palavras" o sentimento que experimentou nos poucos minutos que teve contato com o papa Francisco. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.