Empatados, Obama e Romney partem em busca do voto de Estados indefinidos

A apenas 14 dias das eleições presidenciais, o democrata Barack Obama e o republicano Mitt Romney dedicarão o tempo restante para a conquista dos eleitores indecisos e desmotivados nos Estados tradicionalmente decisivos.

DENISE CHRISPIM MARIN , ENVIADA ESPECIAL , BOCA RATON, FLÓRIDA, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2012 | 03h06

Obama e Romney continuam empatados nas pesquisas nacionais de opinião e mantêm pouca diferença nos cálculos dos delegados necessários a vitória no Colégio Eleitoral. Mas o republicano mantém uma vantagem de US$ 46 milhões no caixa de campanha destinado à propaganda na etapa final da campanha.

Nas próximas 48 horas, Obama vai fazer comícios em cinco Estados indefinidos e essenciais para sua reeleição - Flórida, Colorado, Ohio, Iowa e Virgínia. O roteiro começa nesta manhã com um discurso em Boca Raton, na Flórida. Romney tem comícios marcados para hoje em Nevada e no Colorado. Os eventos de arrecadação de fundos de campanha já não têm mais espaço nas suas agendas. A conquista do eleitor - especialmente, das mulheres e dos latino-americanos, os grupos mais indecisos - tornou-se prioridade.

Numa eleição na qual o vencedor pelo voto direto não vai, necessariamente, para a Casa Branca, o empate nas pesquisas nacionais não chega a preocupar as equipes de campanha. Mas as consultas de opinião nos Estados a serem percorridos a partir de hoje por Obama e Romney certamente indicam as chances de cada candidato. Obama chegou a acumular 269 delegados para o Colégio Eleitoral, conforme as pesquisas estaduais. O número de Estados indecisos, seis no início do mês, passou para dez.

Isso foi no dia 2, antes de sua apática performance no debate com Romney. Hoje, uma semana depois do segundo confronto, do qual se saiu vencedor, ele tem apenas 201 delegados. O republicano passou na frente, com 206. Mesmo que tenha sido visto como favorável para o presidente, o terceiro e último debate, na noite de ontem, em Boca Raton, dificilmente daria elementos suficientes para o eleitor indeciso tomar uma posição. O tema escolhido foi a política externa americano - questão secundária para o cidadão atento aos rumos da economia e à geração de empregos.

As pesquisas mostram Obama tecnicamente empatado com Romney na Flórida e em outros sete Estados-chave. Apenas na Pensilvânia e em Michigan, onde está o complexo automobilístico de Denver, sua vantagem é de mais de 5 pontos porcentuais. Supondo não haver margem de erro nas consultas, Obama teria hoje um total de 277 delegados para o Colégio Eleitoral e iniciaria em janeiro seu segundo mandato. Romney teria 248. Mas as pesquisas são passíveis de equívocos e parte dos que as responderam em favor de um ou de outro candidato pode não comparecer às urnas no dia 6.

Segundo o diretor do Departamento de Ciência Política da Universidade de Cincinnati, Richard Harknett, a propaganda eleitoral tem efeito limitado sobre o eleitorado indeciso nesta etapa final. A intenção do Partido Republicano de desembolsar US$ 82,6 milhões em anúncios na televisão de Romney pode se mostrar inócuo, em sua opinião. Além da presença do candidato nos pontos mais indefinidos do país, a mobilização do voluntariado de ambos os partidos terá um papel decisivo a partir de agora.

Nos EUA, as sedes locais dos partidos dispõem de listas de eleitores históricos e os monitoram para saber se já votaram antecipadamente - nos 30 Estados onde isso é permitido - e no dia da eleição. Voluntários telefonam insistentemente para motivá-los a votar, batem em suas portas e, se necessário, arrumam condução para o eleitor chegar à urna. Com a eleição empatada, uma nevasca no norte dos EUA ou uma enchente no sul podem ser tão decisivas quanto a disposição do eleitor de ir às urnas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.