AP Photo/Juan Karita
AP Photo/Juan Karita

Empregados assumirão empresas falidas na Bolívia

Lei apoiada por Evo Morales é criticada por empresários, que denunciam uma violação da propriedade privada

O Estado de S.Paulo

01 Maio 2018 | 19h25

LA PAZ - O presidente da Bolívia, Evo Morales, comemorou nesta terça-feira, 1, o Dia do Trabalhador com a promulgação de uma lei que permite que trabalhadores assumam o comando de indústrias em situação falimentar. O projeto tem sido criticado por empresários, que consideram a lei hostil à propriedade privada.

+ Evo Morales pede investigações sobre elos entre Odebrecht e antecessores

O anúncio foi feito em um ato que reuniu milhares de pessoas na cidade de Oruro, no altiplano boliviano, e contou com o apoio da Central Operária Boliviana (COB), que apoia o presidente. No mesmo ato, Evo anunciou um aumento de 3% no salário mínimo nacional. 

“Essa lei não é para tirar a indústria das mãos da iniciativa privada, mas para reativar a produção em defesa do trabalhador e do interesse social”, disse Evo. 

Para o presidente da COB, Juan Carlos Huarachi, o setor operário se sente capacitado para assumir qualquer função da cadeia produtiva, seja de gerência ou de comando. “Se fecham uma empresa, vamos nos organizar e tomar conta do que for preciso”, garantiu. 

O projeto de lei foi aprovado na semana passada pela Assembleia Nacional boliviana e rendeu críticas do setor patronal. Para Ronald Nostas, da Confederação de Empresas Privadas da Bolívia (CEPB), a lei viola direitos básicos. 

+ Evo confirma plano de estender seu mandato até 2025 na Bolívia

“Parece uma grande irresponsabilidade com o país”, disse o dirigente, que também criticou o presidente por aumentar o salário mínimo acima da inflação. Segundo ele, isso diminuirá os investimentos.

 Evo tentará um novo mandato depois de apelar para a Justiça contra uma derrota num referendo que o impedia de concorrer novamente. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.