Empresa americana vende boneco de Saddam enforcado

Uma empresa dos Estados Unidos, dedicada a criar figuras de personagens populares, atreveu-se a tirar proveito econômico da morte de Saddam Hussein, ao comercializar um macabro boneco do ex-ditador iraquiano com a corda ao pescoço.Saddam "Pendurado em uma Corda" é a última figura de ação criada pela Herobuilders, uma pequena empresa de Connecticut que há quatro anos elabora figuras de plástico e articuladas de personagens populares da vida política e social.Emil Vicale, presidente e fundador da companhia, declarou que decidiram lançar o novo boneco porque "Saddam foi a pessoa do ano"."Temos outros três modelos em diferentes momentos de suacarreira, portanto achamos que seria genial fazer a última figura de ação de sua vida", explicou o presidente.Desde a última sexta-feira, horas antes que Saddam fosse enforcado, qualquer que visitasse o site da companhia podia comprar uma réplica de cerca de 30 centímetros de altura, que guarda grande semelhança com o personagem de carne e osso.O produto suscitou numerosas críticas contra a Herobuilders, algo a que Vicale perece acostumado, devido ao tipo de brinquedos que comercializa."Nos criticam todo o tempo. É impossível que todo mundo esteja contente. Não me importa o que pensem os outros, porque se o fizesse não estaria no mundo dos negócios", afirmou.O empresário assegurou que desde sexta-feira não pararam dereceber encomendas do boneco, por isso está convencido que "será um sucesso de vendas".Saddam não foi o único da família Hussein reproduzido pela empresa americana. Seu filho Uday, abatido pelas tropas dos EUA, já conta com duas figuras na coleção, uma prévia a sua morte, e a outra, ensangüentado, tal e como foi fotografado seu cadáver.Junto ao boneco de Saddam, a companhia lançou no mesmo dia as réplicas do presidente venezuelano, Hugo Chávez, e seu colega iraniano, Mahmoud Ahmadinejad.O boneco de Chávez, com uma camiseta com a mensagem "liberdade de expressão", conta com uma peculiaridade: é capaz de falar e repetir o famoso discurso que pronunciou na Assembléia Geral da ONU, no mês de setembro."O diabo está em casa. Ontem o diabo veio aqui. Neste lugar cheira a enxofre", repete várias vezes a réplica do líder venezuelano, o boneco preferido de Vicale."Chávez é o homem mais gracioso da história. Me encanta. Não pude parar de rir com o discurso que fez nas Nações Unidas", disse.A réplica de Ahmadinejad se mostra desafiante diante da polêmica política de enriquecimento de urânio promovida pelo governo iraniano e que manteve em suspense a comunidade internacional nos últimos meses.Com um gesto sorridente e orgulhoso, a réplica do presidente do Irã veste uma camiseta que diz "deixemos que comam torta amarela", em referência a um concentrado de urânio que se usa nas usinas nucleares.Estas figuras se unem ao particular "eixo do mal" saído da mente de Emil Vicale e sua equipe de desenhistas, composto pelas representações de Osama bin Laden e do líder norte-coreano Kim Jung Il, entre outros.A coleção de figuras políticas nasceu pouco depois dos atentados do 11 de setembro em uma pequena fábrica de Danbury com uma réplica do presidente George W. Bush.Desde então a companhia elabora de maneira artesanal cerca de trinta personagens entre os que destacam o vice-presidente dos EUA, Dick Cheney, a senadora Hillary Clinton, e líderes internacionais como Vlaimir Putin e Tony Blair.Vicale ameaça aumentar a coleção: "ainda não temos ninguém em mente, mas - assegura - todos os dias vemos as notícias".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.