Empresa britânica encontra petróleo de boa qualidade nas Malvinas

Governo argentino voltou a protestar contra petroleiras estrangeiras no arquipélago.

Marcia Carmo, BBC

07 Maio 2010 | 18h42

A petroleira britânica Rockhoopper Exploration informou nesta sexta-feira que encontrou petróleo "de boa qualidade" nas Ilhas Malvinas (Falklands, para os ingleses), no Atlântico sul.

Especialistas afirmam que essa é a primeira vez que é encontrado petróleo de boa qualidade no arquipélago disputado pela Grã-Bretanha e pela Argentina mesmo após uma guerra, em 1982, que acabou na derrota dos argentinos.

"Os registros indicam, claramente, que encontramos uma reserva de alta qualidade, de grande porosidade e permeabilidade", disse o diretor-gerente da empresa, Samuel Moody.

A Rockhoopper Exploration afirmou estar "muito entusiasmada" com a descoberta, mas não divulgou mais detalhes.

Recentemente, a empresa Desire Petroleum também havia anunciado a descoberta de petróleo no arquipélago, mas de baixa qualidade e "comercialmente inviável".

Licenças

Analistas ouvidos pela imprensa argentina estimam que as reservas no poço que foi testado pela Rockhoopper Exploration possam chegar a 2 milhões de barris de petróleo.

De acordo com o jornal argentino Clarin, a Rockhooper e a Desire operam na mesma bacia, ao norte do arquipélago. A Rockhooper teria licença para explorar dois poços e a Desire para explorar quatro poços.

As duas empresas começaram a desembarcar no arquipélago em fevereiro, ao lado de outras companhias estrangeiras do setor, gerando forte reação do governo argentino da presidente Cristina Kirchner.

A Rockhooper anunciou que a descoberta de petróleo ocorreu após vinte dias de perfuração, em pedras e areia, a 2.740 metros de profundidade.

Protesto

Na quinta-feira, o governo argentino voltou a protestar contra a iniciativa das petroleiras estrangeiras, por meio de um comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

No texto, afirma-se que a atividade de busca de hidrocarbonetos nas Malvinas é "um ato ilegal que vai contra o direito internacional e as resoluções das Nações Unidas (ONU)".

"A Argentina rejeita da forma mais enérgica a tentativa de se apoderarem ilegalmente dos recursos naturais não renováveis, propriedade do povo argentino", diz o documento.

Nos últimos anos, durante os mandatos do ex-presidente Nestor Kirchner (2003-2008) e da presidente Cristina Kirchner, a Argentina intensificou sua reivindicação de soberania sobre as Ilhas.

O pedido de diálogo com a Grã-Bretanha tem sido reiterado em diferentes fóruns internacionais.

Nesta semana, na reunião da Unasul (União de Nações Sul-Americanas), em Buenos Aires, países do bloco regional apoiaram a demanda argentina.

A expectativa, segundo assessores do governo, é que a presidente volte a reclamar o direito sobre as ilhas durante a reunião entre América Latina, Caribe e União Européia (ALCUE), nos próximos dias 17 e 18, em Madri, na Espanha. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.